Sociedade Tecnologia 

Tecnologia digital pode iniciar uma nova revolução científica na pesquisa social

Comportamento humano e pesquisa social

Através de instrumentos como o telescópio e o microscópio, os humanos conseguiram aprender sobre organismos e o mundo físico em que vivem.

No entanto, embora tenhamos estudado o comportamento humano e as sociedades há muito tempo, não possuímos um instrumento tão poderoso quanto um telescópio ou um microscópio para observar os padrões do comportamento humano.

Mas agora, a tecnologia digital e sua capacidade de processar grandes quantidades de dados gerados por humanos podem ser uma ferramenta poderosa para pesquisas em ciências sociais.

A internet é semelhante ao telescópio, pois nos permite observar as coisas de maneira que não poderia ser feita antes. Através da tecnologia digital, os cientistas podem observar as atitudes e os comportamentos de um grande número de pessoas. A internet permite a observação e às vezes a experimentação em grande escala.

A coleção de “grandes dados” e a capacidade de fazer experimentos usando a internet, pode ser o início de uma revolução científica na pesquisa social. Mas há importantes considerações éticas que também precisam ser tidas em conta.

Como começa a revolução científica

As revoluções científicas começam com a invenção de novos instrumentos.

Por exemplo, há quinhentos anos após a invenção do telescópio, o nobre dinamarquês Tycho Brahe usou-o para observar os corpos celestes.

O instrumento de Tycho Brahe para medir altitudes e azimutes de objetos celestiais. Fonte de imagem: Wikimedia Commons / Tycho Brahe

Ele coletou dados sobre a localização de objetos planetários. Ele não entendeu o significado dos dados, mas ele os coletou de qualquer maneira. Os dados coletados por Brahe tornaram-se a base para os cálculos do matemático de Johannes Keppler. Ele calculou os padrões dos dados de Brahe e descobriu que os planetas se moviam na forma de um elipse.

Cem anos depois, Isaac Newton formulou a teoria da gravidade, revolucionando a nossa compreensão de como a natureza funciona. Ao entender a gravidade, não entendemos apenas os movimentos de planetas e estrelas, mas os seres humanos também são capazes de criar tecnologia como satélites, viagens espaciais e GPS.

A partir dessa história, podemos ver que o progresso na ciência começou a partir da simples coleta de dados possibilitada pela invenção de novos instrumentos observacionais. Os matemáticos descobriram os padrões dentro dos dados, criaram teorias e revolucionaram a nossa compreensão do universo.

Da mesma forma, os biólogos olharam sob o microscópio e viram microrganismos, células e outras pequenas coisas que compõem a vida. Isso já avançou para avanços em ciências da vida, desde encontrar curas para várias doenças até a edição de genes.

Desafios na pesquisa social

Ao contrário dos cientistas que estudam ciências naturais ou físicas, os cientistas sociais enfrentaram problemas fundamentais para testar e explorar novas teorias.

Ao fazer pesquisas, o método científico é observar e experimentar. Os físicos não entrevistam os elétrons que estão pesquisando. Os biólogos não entrevistaram o DNA. Os cientistas sociais são os únicos que teriam que fazer perguntas ao assunto de suas pesquisas.

Isso não quer dizer que a observação e a experimentação em larga escala na pesquisa social não existam. Eles fazem. Mas é muito limitado. O método comum na pesquisa quantitativa-social é através da pesquisa.

Um problema óbvio na pesquisa de perguntas é que as pessoas às vezes têm memórias fracas sobre seus comportamentos ou atitudes. Por exemplo, uma pessoa perguntou quantas vezes eles verificam seu smartphone em um dia pode responder com uma ampla gama de números que podem não estar corretos. Além disso, existem, em raras ocasiões, incentivos para que as pessoas mentem.

Como a tecnologia digital pode revolucionar a pesquisa social

A tecnologia digital registra comportamentos e atitudes das pessoas. Nossos telefones equipados com GPS armazenam dados de mobilidade, bancos e empresas de cartões de crédito possuem nossos padrões de gastos, e as mídias sociais captam nossos modos e pensamentos.

Às vezes, não temos que perguntar às pessoas sobre seus comportamentos, só precisamos observar suas atividades on-line.

Na pesquisa social, a experimentação é muito difícil de fazer porque requer um grupo de controle para se comparar com os sujeitos testados, e é muito difícil manter o ambiente controlado. Os cientistas sociais não podem criar diferentes condições da vida social porque não podemos criar universos paralelos.

Na internet, podemos controlar o ambiente digital. A internet oferece novas oportunidades de experimentação.

Áreas de estudo promissoras

Uma área de estudo promissora usando experiências baseadas na web é aprender como as interações entre os indivíduos podem produzir comportamentos coletivos. Os sociólogos chamam isso de problema micro-macro, onde as decisões individuais em conjunto criam resultados sociais.

Por exemplo, Matthew Salganik, professor de sociologia na Universidade de Princeton, realizou um experimento para saber como os produtos culturais se tornaram populares. Ele criou um site, onde todos os que visitam podem ouvir músicas de artistas desconhecidos e baixá-los.

Ele manipulou o site, construindo oito salas virtuais e manipulando o número de músicas baixadas em cada sala, criando universos paralelos.

A partir do experimento, Salgalnik descobriu que as músicas populares não funcionavam bem por sua qualidade, mas porque muitas pessoas as baixavam. As pessoas costumavam ouvir músicas já populares e tendiam a ignorar músicas que nunca tinham sido baixadas. As músicas que se tornaram populares eram diferentes em cada “universo”.

Esta é apenas uma área de pesquisa. Uma música é um pouco inofensiva, mas podemos ser capazes de replicar o experimento para ideologias e sistemas de crenças, desde que você tenha uma determinada medida de comportamento.

Preocupações éticas

No final, com a pesquisa social baseada na Internet, os cientistas podem conhecer os seres humanos além de sua própria compreensão.

Não estamos lá ainda. No momento, a coisa mais revolucionária que a internet está nos dando é o acesso a grandes dados. Ter esses dados significa que existem muitas maneiras de testar a teoria do comportamento social.

Mas, antes de avançar, ainda precisamos ter um debate sobre a ética da pesquisa social usando a tecnologia digital, especialmente sobre a questão do consentimento. Algumas empresas de tecnologia já estão experimentando sem pedir permissão aos usuários: o algoritmo que o Facebook usou para determinar o que aparece nos cronogramas dos usuários é um exemplo.

Muitos de nós que utilizamos a mídia digital podem ter sido sujeitos em experimentos sem a nossa consciência. 5G e IoT: O controle tecnológico total está sendo acelerado

A promessa da tecnologia digital como um instrumento observacional eficaz para estudar o comportamento humano e as sociedades é emocionante. Mas, como cientistas sociais, também precisamos ter cuidado. Devemos descobrir um sistema que incentive todos a manter padrões éticos e evitar danos.

Fonte: Futurism/The Conversation.

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: