Tecnologia 

O sistema de detecção de terremotos mais poderoso da Terra

Entenda porque a internet pode ser o sistema de detecção de terremotos mais poderoso de todos os tempos. Uma revolução na tecnologia de detecção sísmica.

A internet não é seu telefone. Não é o Instagram, o YouTube ou o Netflix. Por trás dessas aparições, a internet é na verdade uma matriz abrangente de centenas de cabos de dados submarinos, cruzando o oceano por cerca de 885.000 km (550.000 milhas).

É daí que vem o seu Facebook e o FOMO. Mas esses canais ocultos não são apenas úteis para transmitir dados, essa enorme rede de infra-estrutura também poderia nos fornecer uma rede sem precedentes para a detecção de terremotos, revela uma nova pesquisa.

Em um novo estudo liderado pelo vulcanologista Philippe Jousset, do Centro Alemão de Pesquisa em Geociências da GFZ, pesquisadores enviaram pulsos de luz laser por um trecho de 15 quilômetros de cabos de fibra ótica convencional na Islândia, que eles usaram como proxy para medir a atividade sísmica.

Porque o campo magnético da Terra reverte com freqüência?

“Nossas medições revelaram características estruturais no subsolo com resolução sem precedentes e produziram sinais que equivalem a pontos de dados a cada quatro metros”, diz Jousset.

“Isso é mais denso que qualquer rede sismológica em todo o mundo.”

O conceito de fazer isso não é novo em si. Durante anos, os pesquisadores têm procurado maneiras de alavancar a internet como uma maneira de monitorar a atividade sísmica, com um estudo feito em junho de 2018 mostrando que cabos de fibra óptica podem detectar terremotos a até 18.500 km de distância.

Mas Jousset diz que o projeto de sua equipe foi o primeiro a ser pioneiro em todo o mundo para medições para objetivos sismológicos e com um cabo tão longo.

[Afiliados_300_250]

“Nossas medições usando cabos de fibra óptica representaram o solo com muito mais precisão do que nunca”, disse Jousset à DW, explicando que a técnica faz com que seja quase como instalar um sismógrafo individual a cada quatro metros, o que permitiu encontrar uma falha desconhecida em a fissura entre as placas tectônicas euro-asiática e americana.

Conheça o robô que poderia fazer seu resgate em uma catástrofe

Sistema de detecção de terremotos para prever tragédias

Dado o quão caro é o equipamento de monitoramento sísmico atual, e quão finamente distribuído é por terra e sob o mar, os pesquisadores acham que a técnica poderia nos fornecer um método de baixo custo para monitorar os tremores que atualmente não conhecemos.

Por exemplo, no mês passado os cientistas anunciaram que os terremotos na Antártida são, na verdade, uma ocorrência frequente. Anteriormente, supunha-se que eram raros, mas não era uma peculiaridade da tectônica, apenas a falta de dados.

Agora sabemos melhor, e os cabos de fibra ótica podem nos ajudar a ampliar ainda mais nossa consciência sobre o terremoto, enquanto potencialmente redefinimos nossos entendimentos granulares do que caracteriza a atividade sísmica.

“Os cientistas podem testar novas abordagens e processamento de dados não convencionais, que podem então obter resultados mais precisos em comparação com os métodos sismológicos clássicos”, escreveu a equipe no documento.

Embora haja muito mais pesquisas a serem feitas antes que o comprimento quase infinito do cabeamento da Internet como um todo possa ser convertido de modo a replicar a funcionalidade relatada aqui, não há dúvida de que os cientistas estão muito entusiasmados com as possibilidades transformativas que estamos à beira do abismo de perceber.

A psicologia dos inevitáveis terremotos

“Uma revolução na tecnologia de detecção sísmica está em andamento, capturando observações sem precedentes de terremotos e seus impactos”, explica a geofísica Elizabeth Cochran em um comentário sobre a nova pesquisa.

“Essas inovações dos sensores fornecem observações em tempo real que podem melhorar a resposta de emergência após terremotos prejudiciais e podem avançar na compreensão da física das rupturas do terremoto.”

As descobertas são relatadas na Nature Communications.

Fonte: Science Alert

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Translate »
%d blogueiros gostam disto: