Sociedade Tecnologia 

Se a energia não custar nada no futuro, como isso afetará nossas vidas?

A tecnologia está fazendo o custo de muitas coisas se aproximar de zero. As coisas pelas quais costumávamos pagar muito agora são baratas ou mesmo gratuitas, pense em quanto custa comprar um computador, fazer ligações interurbanas, tirar fotos, assistir filmes, ouvir música ou até viajar para outro estado, ou país. Mais adiante, ainda mais do que as necessidades do dia-a-dia se juntarão a essa lista, incluindo, possivelmente, a eletricidade.

Isso é ótimo, certo? Porque é algo de graça! Quem não ama coisas grátis?

O caso da energia, no entanto, é mais complexo.

O custo da queima de carvão pode cair bastante, e o custo de colher energia do sol continua caindo. Em outubro de 2017, as ofertas para uma usina solar da Arábia Saudita chegaram a 1,79 centavos de dólar por quilowatt/hora, quebrando o recorde anterior em Abu Dhabi de 2,42 centavos/kWh. É verdade que não é coincidência que esses preços baixos exclusivos estejam vindo de algumas das partes mais ensolaradas do mundo. Para efeito de comparação, o preço médio residencial de eletricidade nos EUA em 2017 foi de 12,5 centavos/kWh.

Quando pensamos que os preços não podem diminuir mais, eles fazem isso, e talvez a parte mais surpreendente sobre o declínio contínuo dos preços seja que isso ocorre apesar de, não graças a baterias. As baterias baratas e eficientes ainda são o maior gargalo para as energias renováveis, mas uma vez que as descobrimos, o céu, ou, neste caso, o chão, é o limite. Também é apenas uma questão de tempo até que as células solares transparentes se tornem uma realidade e transformem cada superfície de vidro ao ar livre em uma usina de energia de pequena escala.

Então, como seria um mundo de energia de graça para todos?

A eletricidade se tornaria onipresente em muitas partes do mundo onde ainda não é o caso. Em outros lugares, as contas de energia elétrica desapareceriam, mas isso seria o menor deles. Os custos de fabricação despencariam, assim como os custos de transporte, bem como praticamente todos os custos.

O dinheiro que economizaríamos em energia poderia ser usado em programas sociais, talvez gerando uma renda básica universal que ajudaria a criar sociedades mais justas e equitativas. Se tudo custasse menos, não precisaríamos trabalhar tanto para ganhar tanto dinheiro, liberando nosso tempo para buscar empreendimentos criativos ou outras paixões pessoais.

No entanto, há um outro lado em todas as moedas, e o velho ditado sobre as melhores coisas da vida sendo gratuitas, infelizmente, não é necessariamente verdadeiro neste caso. Vejamos o que aconteceu quando disponibilizamos outros recursos gratuitos ou baratos.

Nos EUA, tornamos a comida barata e abundante, aprendendo como processá-la e fabricá-la em grande escala, e agora estamos mais gordos e doentes do que nunca. Descobrimos como produzir garrafas plásticas e sacos por centavos, e agora os oceanos estão sufocados com nosso lixo abundantemente barato e não biodegradável.

O Paradoxo de Jevons sustenta que, à medida que o progresso tecnológico aumenta a eficiência de um produto ou recurso, a taxa de consumo desse recurso aumenta devido ao aumento da demanda, anulando efetivamente qualquer economia de eficiência. É isso mesmo, a humanidade parece ser, em nossa essência, uma espécie que se apanha, e a eletricidade gratuita não seria exceção.

Os países do Oriente Médio, onde os preços da eletricidade são os mais baratos do mundo, apresentam um bom exemplo. O uso excessivo de energia é comum e não há incentivo para o uso. Idealmente, o uso de energia per capita deve ser refletido no PIB per capita, mas países como Kuwait, Bahrein e Arábia Saudita têm um desequilíbrio nessa métrica, usando muito mais energia do que o necessário para alcançar seus PIBs.

Mesmo que a energia seja renovável, isso não significa que não haverá custos ambientais.

À medida que a energia se torna mais barata em outras partes do mundo, as pessoas usarão mais e a primeira vítima será o planeta. Poderia haver repercussões que ainda nem imaginamos, assim como quem inventou o plástico provavelmente nunca imaginou que isso envenenaria a vida marinha.

Então, como a energia fica mais barata e, finalmente, se move em direção a ser de graça, como lidamos com a sua abundância com sabedoria? A regulamentação governamental desempenhará um papel, assim como as forças do mercado, apesar da ausência de ímpeto econômico. Como acontece com qualquer novo desenvolvimento tecnológico, podemos ter uma fase de ajuste onde vamos longe demais, nos pegamos e voltamos para o outro lado.

A energia limpa e gratuita trará inegavelmente muitos benefícios com ela. Mas não podemos nos dar ao luxo de esquecer que geralmente há um preço a pagar também – nem sempre é óbvio desde o início.

Este artigo apareceu originalmente no site Singularity Hub, uma publicação da Singularity University. Autora: Vanessa Bates Ramirez

Image Credit: Len Green / Shutterstock.com

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: