Ciência Curiosidades 

Pessoas geneticamente similares se tornam amigos mais fáceis

Nossos amigos parecem ser geneticamente mais semelhantes a nós do que estranhos, de acordo com um novo estudo científico dos EUA liderado pelo proeminente professor grego-americano de sociologia e medicina na Universidade de Yale Nicholas Christakis e James Fowler, professor de genética médica e ciência política na Universidade Da Califórnia.

Os pesquisadores, que fizeram a publicação relevante no Jornal da Academia Nacional de Ciências (PNAS), analisaram o genoma de 1.932 pessoas e compararam pares de amigos com pares de estranhos.

Não havia afinidade biológica entre todas essas pessoas, mas apenas a diferença no nível das relações sociais entre elas.

Pessoas geneticamente similares

O estudo mostrou que, em média, cada pessoa tinha um DNA mais semelhante com seus amigos do que com estranhos. Os pesquisadores observaram que esse achado tem a ver com a tendência das pessoas de fazerem amizades com antecedentes raciais semelhantes (e, portanto, genéticos).

A similaridade genética entre amigos foi maior do que a semelhança esperada entre as pessoas que compartilham uma herança nacional e genética comum. Ainda não está claro por que mecanismos isso ocorre.

Mas como somos semelhantes aos nossos amigos?

996b3015f385d7ef20a0Pessoas geneticamente similares61bd17d838

Em média, de acordo com o estudo, um amigo nosso tem uma afinidade genética comparável ao nosso primo de quarto grau, o que significa que nós compartilhamos cerca de 1% dos nossos genes nossos amigos.

“1% não soa como um grande negócio, mas para os geneticistas é grande coisa. É digno de nota que a maioria das pessoas nem sequer sabem quem são seus primos de quatro grau, mas de alguma forma, a partir de inúmeros casos possíveis, escolhemos fazer amizade com pessoas que são geneticamente semelhantes a nós”, disse o professor Christakis.

Christakis e Fowler até desenvolveram uma “pontuação de amizade”, que prediz quem será amigo de quem com quase a mesma precisão que os cientistas preveem, com base na análise genética, as chances de uma pessoa ser obesa ou esquizofrênica.

Centrando-se em genes individuais, a pesquisa mostra que os amigos são mais propensos a ter genes semelhantes relacionados ao sentido do olfato, mas diferentes genes que controlam a imunidade; assim amigos variam geneticamente em sua proteção contra várias doenças.

Parece ser um mecanismo evolutivo que serve a sociedade em geral, uma vez que o fato de que as pessoas se reúnem com aqueles que são vulneráveis a diferentes doenças constitui uma barreira para a rápida disseminação de uma epidemia de pessoa para pessoa. Outra descoberta notável é que os genes comuns que compartilhamos com nossos amigos parecem evoluir mais rapidamente do que outros.

O professor Christakis explica que provavelmente é por isso que a evolução humana parece ter se acelerado nos últimos 30 mil anos, já que o ambiente social com um importante papel de comunicação linguística é um fator evolutivo vital.

Além disso, de acordo com o cientista grego-americano, “Novas pesquisas reforçam a noção de que os seres humanos são seres ‘transgênicos’ , não só por causa das bactérias que vivem em torno de nós, mas por causa das pessoas que nos rodeiam. Parece que nossa capacidade não depende apenas de nossa composição genética, mas também da composição genética de nossos amigos”.

Autora: Anna LeMind

Fonte: Learning Mind via Humans Free

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: