Robôs pensadoresInteligência Artificial Robôs 

Não é um mito: Robôs e Inteligência Artificial irão acabar com alguns postos de trabalho

Robôs pensadores
No futuro próximo aos poucos o trabalho de pensar e agir será um papel pouco designado aos humanos.

“Com a taxa de desemprego caindo, o mais baixo em sete anos, os líderes políticos estão soltando um suspiro de alívio. Na verdade, com o boom da tecnologia em andamento, há muito para estar otimista. O setor de manufatura voltará a costa dos EUA com robôs que fazem o trabalho de trabalhadores chineses; As montadoras americanas terão veículos eléctricos de condução automatizados produzindo em massa; empresas de tecnologia vão desenvolver dispositivos médicos que melhoram significativamente a saúde e longevidade; teremos energia limpa ilimitada e poderemos imprimir em 3D nossas necessidades diárias. O custo de todas estes itens tecnológicos vão despencar e será possível suprir as necessidades básicas de cada ser humano”

Estou falando de avanços tecnológicos que estão acontecendo agora, e que vai dar frutos na década de 2020.

Mas os líderes políticos terão um novo grande problema para lidar: o desaparecimento de postos de trabalho humanos. Não só haverá menos postos de trabalho para as pessoas que fazem o trabalho manual, os postos de trabalho dos trabalhadores do conhecimento também serão substituídos por computadores. Quase todos os setores e profissões serão afetados e isso vai criar um novo conjunto de problemas sociais – porque a maioria das pessoas não conseguem se adaptar a essa mudança dramática.

Se pudermos desenvolver as estruturas econômicas necessárias para distribuir a prosperidade que estamos criando, a maioria das pessoas já não terão que trabalhar para se sustentar. Eles estarão livres para perseguir outros empreendimentos criativos. O problema, porém, é que, sem emprego, eles não têm a dignidade, compromisso social e sentimento de realização que vem do trabalho. A vida, a liberdade e a busca da felicidade que a constituição nos credencia não será mais através do trabalho, ela terá de ser através de outros meios.

É imperativo que nós compreendemos as mudanças que estão acontecendo e encontramos maneiras de amortecer os impactos.

A elite de tecnologia que estão liderando esta revolução irá assegurar-lhe que não há nada com que se preocupar, porque vamos criar novos postos de trabalho, assim como fizemos nos séculos anteriores, quando a transição da economia de agrária para industrial e para a baseada no conhecimento. O magnata da tecnologia Marc Andreessen tem chamado a noção de um futuro sem emprego uma “falácia ludita”, referindo aos medos do passado que as máquinas tomariam o trabalhos dos humanos. Esses temores acabaram por serem improcedente, nós criamos empregos novos e melhores.

É verdade que estamos vivendo uma vida melhor. Mas o que está faltando a partir desses argumentos é o prazo durante o qual as transições ocorreram. A revolução industrial se desenrolou ao longo dos séculos. Revoluções tecnológicas de hoje estão acontecendo dentro de anos. Nós certamente iremos criar alguns postos de trabalho intelectualmente desafiadores, mas não serão capazes de treinar os trabalhadores que perdem postos de trabalho de hoje. Eles vão experimentar o mesmo desemprego e desespero que seus antepassados sofreram. São com eles que nós precisamos se preocupar.

Fila de taxis
A primeira grande onda de desempregos será por causa dos veículos que não precisarão mais de motoristas

A primeira grande onda de desemprego vai ser causada pelos carros de condução automática. Estes irão proporcionar um enorme benefício ao eliminar os acidentes de trânsito e congestionamento, tornando o tempo perdido hoje, mais produtivo, e reduzirão o uso de energia. Mas eles vão eliminar os postos de trabalho de milhões de taxistas e caminhoneiros e entregadores. Totalmente automatizado os carros robóticos não estão mais no reino da ficção científica; você pode ver os carros da Google nas ruas de Mountain View, Califórnia. Também há caminhões automáticos nas nossas estradas e tratores automáticos em fazendas.

A Uber contratou dezenas de engenheiros da Universidade Carnegie Mellon para construir os seus próprios carros robóticos. Certamente irá começar a substituir os seus pilotos humanos logo que a sua tecnologia estiver pronta – mais tarde nesta década. Como o CEO da Uber Travis Kalanick teria dito em uma entrevista: “A razão da Uber ser cara é por que você está pagando para o outro cara no carro. Quando não há outro cara no carro, o custo de pegar um taxi com a Uber em qualquer lugar é mais barato. Mesmo em uma viagem.”

O cara no banco do motorista não existirá mais.

Robôs ABB
A solução robótica automatizada da ABB ajuda a melhorar a qualidade da soldadura e a aumentar a resistência do veículo ao impacto em 30%

A manufatura será o próximo sector a ser transformado. Os robôs, durante muitos anos foram capazes de realizar cirurgias, ordenhar vacas, fazer reconhecimento militar e combate, e montar mercadorias. Mas eles não eram hábeis o suficiente para fazer o tipo de trabalho que os seres humanos fazem em instalar placas de circuito. No entanto, a última geração de robôs industriais da ABB na Suíça e a Rethink Robótics de Boston são capazes de fazer isso. O robô da ABB, Yumi, pode até mesmo enfiar uma linha na agulha. E custa apenas US $ 40.000.

A China, está temendo o desaparecimento da sua indústria, está criando fábricas robóticas totalmente automatizadas na esperança de tornar os preços mais competitivos, para poder continuar a ser a capital do mundo da fabricação. Mas sua vantagem só se mantém desde que as cadeias de abastecimento estão na China e o transporte de matérias-primas e produtos acabados ao longo dos oceanos permaneçam rentáveis.

Não se esqueça de que nossos robôs são tão produtivos quanto os deles; e eles também não se juntam a sindicatos (ainda) e trabalham contra o relógio sem se queixar. As cadeias de suprimentos certamente irão mudar e o retorno da manufatura aos pingos se tornará um dilúvio.

Mas haverá alguns postos de trabalho para os seres humanos uma vez que as novas fábricas locais são construídas.

Com os avanços na inteligência artificial, qualquer trabalho que requer a análise de informações pode ser feito melhor por computadores. Isso inclui os postos de trabalho de médicos, advogados, contadores e corretores da bolsa. Nós ainda vamos precisar de alguns humanos para interagir com aqueles que preferem o contato humano, mas o trabalho duro vai desaparecer. As máquinas terão muito poucos seres humanos para ajudá-los.

Esse futuro sem emprego certamente criará problemas sociais – mas pode ser uma oportunidade para a humanidade elevar-se. Por que precisamos trabalhar 40, 50 ou 60 horas por semana, afinal de contas? Assim como nós ficamos bem melhor em deixar os trabalhos agrários e as longas e duras horas na fábrica para trás, o que pode ser melhor do que o trabalho sem sentido no escritório?. E se pudéssemos trabalhar 10 ou 15 horas por semana de qualquer lugar e ter o tempo restante para o lazer, trabalho social, ou obtenção de conhecimento?

Sim, haverá uma indústria do turismo de lazer em expansão e novos postos de trabalho serão criados – para algumas pessoas.

Existem tantas coisas para se animar tanto quanto a temer. Se formos espertos o suficiente para desenvolver tecnologias que resolvem os problemas de doença, a fome, energia e educação, podemos – e certamente – desenvolveremos soluções para os nossos problemas sociais. Mas precisamos começar pela compreensão de para onde estamos indo e se preparar para estas mudanças. Precisamos ir além das reivindicações de uma falácia lúdica – para uma discussão sobre o novo futuro.

Esta é uma tradução livre de um artigo publicado na SingularityHUB, clique na imagem para ver a publicação original:

logo-singularityhub-blue31

Compartilhe!

Publicações relacionadas

Leave a Reply

9 Thoughts to “Não é um mito: Robôs e Inteligência Artificial irão acabar com alguns postos de trabalho”

  1. “As máquinas terão muito poucos seres humanos para ajudá-las.” (No texto acima.)

    Será que vamos dizer, no futuro, que houve um tempo em que os seres humanos tinham muitas máquinas para ajudá-los?”

  2. Eu sou estudante da área de automação e esse é um dilema interessante de se pensar, pq essa é a área que esta criando e configurando as funções que vão permitir que os trabalhadores sejam substituídos. Mas isso, como foi dito, abre novas áreas, principalmente para quem vai dar manutenção a essa tecnologia. E esse fenômeno dificilmente vai ser global, o Brasil esta muito atrasado na tecnologia industrial, somente grandes centros tem acesso a certas tecnologias e são viáveis economicamente para aplicar outras.

    1. Esse é o ponto amigo, as pessoas aqui no Brasil e talvez no mundo não estão preparadas para essa transição, que vai ser dolorosa para muitas pessoas, esse é o medo. Concordo com vc todos temos que acordar e fazer alguma coisa que nos faça insubstituível, mesmo com as máquinas chegando. Muito obrigado pelos seus comentários!

  3. […] artificial no mercado de trabalho. Mas enquanto muitos desse assuntos envolve onde e como os robôs irão substituir os humanos nos escritórios, no campo de batalha, no ar ou no fundo do oceano, a nova promessa de vida […]

  4. […] Os efeitos da IA serão sentidos mais profundamente no local de trabalho. Em 2030 ela vai interferir em profissionais qualificados como advogados, consultores financeiros, e radiologistas. Como torna-se capaz de assumir mais funções, as organizações serão capazes de escalar rapidamente com forças de trabalho relativamente pequenas. […]

  5. […] artificial está se expandindo a um ritmo incrível e, claro, o maior medo não é que a IA levará nossos empregos… é de que elas podem tirar nossas […]

  6. […] artificial no mercado de trabalho. Mas enquanto muitos desse assuntos envolve onde e como os robôs irão substituir os humanos nos escritórios, no campo de batalha, no ar ou no fundo do oceano, a nova promessa de vida […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: