Segurança Tecnologia 

Vamos desistir da privacidade por conveniência (ou por pizza grátis)

Embora muitas pessoas digam que querem proteger suas informações pessoais, a privacidade tende a ter um contratempo para conveniência e pode ser facilmente lançada pela janela por uma recompensa tão simples quanto uma pizza gratuita, mostra um novo estudo.

A pesquisa fornece evidências da vida real de um paradoxo de privacidade digital: uma desconexão entre as preferências de privacidade declaradas e as escolhas de privacidade reais. E serve aos decisores políticos com algum alimento para pensar sobre como regular o compartilhamento de dados sem criar mais aborrecimentos para os consumidores.

“Geralmente, as pessoas não parecem estar dispostas a tomar ações caras ou mesmo a ações muito pequenas para preservar sua privacidade”, diz Susan Athey, co-autor do trabalho e um colega sênior do Instituto para Pesquisa de Política Econômica da Universidade de Stanford. “Mesmo que, se você lhes perguntar, eles expressam frustração, infelicidade ou antipatia em perder sua privacidade, eles tendem a não fazer escolhas que correspondam a essas preferências”.

Ao destacar as distorções no comportamento do consumidor em relação à privacidade, os achados sugerem que as salvaguardas, como as políticas generalizadas de “Aviso e escolha” ao abrigo da Lei de Privacidade de 1974, não são suficientes.

Athey e seus coautores conquistaram uma oportunidade única para explorar empiricamente o paradoxo da privacidade quando o Instituto de Tecnologia de Massachusetts lançou um projeto em 2014 para incentivar a experimentação com Bitcoin por universitários.

Os pesquisadores examinaram como 3,108 estudantes de graduação jogaram suas preferências de privacidade ao escolher uma carteira online para armazenar e gerenciar a moeda digital. Juntamente com a distribuição Bitcoin, os pesquisadores também mediram as preferências de privacidade dos estudantes.

Independentemente de vários níveis de recursos de privacidade, a ordem das quatro opções de carteira apresentadas após a inscrição parecia gerar muitas das decisões dos participantes, mesmo quando a escolha contrastava com suas preferências de privacidade declaradas, descobriu o estudo.

E fez pouca diferença quando os pesquisadores forneceram aos alunos mais detalhes sobre os recursos de privacidade de cada carteira; O efeito influente da ordem de classificação persistiu.

Além disso, os alunos que expressaram preferências mais fortes pela privacidade, seja a privacidade do governo, o provedor comercial ou o público,  essencialmente comportado de forma diferente do que aqueles que dizem que a privacidade era menos preocupante, descobriu o estudo.

Pizza, privacidade e política

Para ver se um pequeno incentivo poderia influenciar uma decisão sobre a privacidade, os pesquisadores ofereceram a um grupo de estudantes uma pizza gratuita, contanto que eles divulguem os endereços de e-mail de três amigos.

A maioria esmagadora dos alunos escolheu pizza ao proteger a privacidade de seus amigos. As diferenças de gênero ou suas sensibilidades pessoais declaradas à privacidade não pareciam ter qualquer efeito sobre a escolha.

As pessoas “estão dispostas a renunciar aos dados privados com bastante facilidade quando incentivados a fazê-lo”, afirmam os autores do estudo.

Os pesquisadores também ofereceram aos alunos uma opção para adicionar criptografia adicional para ajudar a garantir a informação na criação de suas carteiras. Embora a criptografia não tenha adicionado um benefício de segurança a futuras transações de carteira, a oferta deveria testar se os participantes estavam dispostos a tomar medidas adicionais para proteger sua privacidade.

Cerca de metade dos alunos inicialmente tentou passar pela etapa extra de adicionar o recurso reconfortante. No entanto, apenas metade desse grupo completou o processo, enquanto o resto retornou à opção de configuração mais fácil sem a criptografia.

No total, os resultados do experimento mostram que “os consumidores se desviam de suas próprias preferências declaradas em relação à privacidade na presença de pequenos incentivos, fricções e informações irrelevantes”, escrevem os autores.

As descobertas fornecem um instantâneo raro: o paradoxo da privacidade tem sido amplamente observado, mas evidências empíricas de um cenário real – envolvendo escolhas com conseqüências reais – foram limitadas.

O estudo levantou duas implicações políticas.

Uma vez que as descobertas mostram que as ações dos consumidores não se alinham com o que eles dizem, e é difícil avaliar a verdadeira preferência de privacidade de um consumidor, os formuladores de políticas podem questionar o valor das preferências declaradas.

Por outro lado, os consumidores podem precisar de proteção de privacidade mais extensa para proteger os consumidores de si mesmos e sua vontade de compartilhar dados em troca de incentivos monetários relativamente pequenos.

Em qualquer caso, como as pessoas são rápidas em desistir de alguma privacidade por menos incômodo, os regulamentos devem evitar adiar inadvertidamente os consumidores com esforço adicional ou uma experiência menos suave, pois fazem escolhas de proteção da privacidade, afirma o estudo.

O que dizemos VS o que queremos

desistir da privacidade

“O grande problema é que os consumidores dizem que querem privacidade, mas se, por exemplo, uma empresa introduziu melhores políticas de privacidade, eles realmente receberiam mais clientes? Minha observação é que, em geral, a resposta é não”, diz Athey, professor de economia da tecnologia no Colégio de Graduação em Negócios da Universidade de Stanford e consultor da Microsoft Corp. desde 2007.

O paradigma econômico tradicional é que os usuários têm informações completas e fazem escolhas informadas. Mas essa dinâmica não é válida se os consumidores não tomam o tempo para realmente avaliar todas as opções, diz ela.

“Então, o mercado oferece incentivos mais fracos para as empresas realmente dar aos consumidores o que eles querem”, diz Athey.

A preguiça do consumidor pode desempenhar um papel, mas Athey diz que também pensa que os consumidores não sentem “escolhas significativas” quando se trata de como os provedores de serviços, que vão desde redes sociais e e-mail para bancos e varejo, manipulam dados pessoais.

Para as mídias sociais, os usuários gravitarão onde estão os amigos, independentemente das políticas de privacidade, explica Athey. Ao mesmo tempo, os principais programas de e-mail têm políticas de privacidade bastante semelhantes, por isso é difícil diferenciá-las ou entender quanto mudar para um novo fornecedor realmente melhoraria a situação.

E não importa o que as empresas fazem com as configurações de privacidade do consumidor, ou mesmo se eles abusarem e irritar os usuários, divulgando ou perdendo muita informação pessoal, parece que os consumidores geralmente ficarão com eles.

Entusiasmagem também entra. Tendo os consumidores conspirarem repetidamente em termos legais de privacidade ou confirmarem o reconhecimento dos cookies, apenas treina os usuários para ignorá-los. Por sua vez, tais avisos de privacidade provavelmente não têm impacto.

“E eu não vejo empresas que oferecem aos consumidores escolhas realmente ótimas sobre quanto tempo eles manterão seus dados”, diz Athey. O que aconteceria, por exemplo, se os consumidores tivessem opções entre os fornecedores de quanto tempo seus dados são armazenados – 10 anos, dois anos, um ano ou seis meses?

“Nós não temos esses tipos de escolhas significativas, e as políticas que temos não fornecem incentivo às empresas para oferecer essas escolhas significativas”, diz ela.

Compreendendo o comportamento do consumidor

As descobertas do estudo que indicam o poder de colocação e facilidade de navegação são consistentes com as empresas de tecnologia de comportamentos de consumidores que já conhecem bem.

“De uma forma geral, quando você está em uma tela pequena, a informação que é apresentada com maior comodidade é a informação que você presta atenção”, diz Athey.

É por isso que é importante como o Facebook classifica suas notícias, quais aplicativos estão no topo de uma loja móvel ou qual link da web leva uma consulta de pesquisa.

“Todos esses intermediários de tecnologia têm um enorme impacto sobre o que você lê, o que você consome e o que você compra apenas com a forma como eles lhe apresentam informações”, diz Athey.

À luz do que sabemos sobre o comportamento do consumidor, “a forma como as políticas de privacidade aqui e na Europa foram projetadas é bastante ineficaz”, diz ela.

“Há um papel para a regulamentação aqui, claramente, nesta área de privacidade e segurança”, diz Athey, “mas mesmo além de dizer às empresas o que fazer, tornando mais simples para os consumidores fazer escolhas significativas”.

Poderia ser mais fácil para os consumidores, por exemplo, se as políticas de privacidade exigissem algum tipo de boletim de relatório com base em auditorias especializadas que avaliam as práticas da empresa de tecnologia.

“Então, você, como consumidor, poderia dizer: ‘Eu realmente gosto deste produto, então estou disposto a aceitar um B nesta política de privacidade’ “, diz Athey.

O documento de trabalho foi divulgado pelo Gabinete Nacional de Pesquisa Econômica. Co-autores adicionais do artigo são do Massachusetts Institute of Technology.

Fonte: Futurity. Texto: May Wong para a Universidade de Stanford.

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: