Sociedade 

Como a tecnologia está transformando a maneira como ensinamos e aprendemos

Por: Raya Bidshahri para o site SingularityHub

Nosso sistema educacional precisa de reforma. Não é ensinado aos alunos serem serem motivados na vida, muito menos eles saem do sistema escolar com habilidades, mentalidades e valores necessários para sobreviver a um mundo de mudanças aceleradas. A maioria deles não se prepara para sentir-se inspirado a contribuir para o progresso humano.

Os currículos escolares tradicionais têm permanecido inalterados durante séculos, e há uma falta de base científica na pedagogia. Continua a ser dada ênfase nas notas de curto prazo e na realização individual.

Como podemos efetivamente educar as gerações futuras? O que precisamos mudar na educação geral? A resposta a estas questões não implica pequenas mudanças incrementais, mas sim uma revisão completa da educação convencional, tal como ela existe hoje. Também exige mudar a forma como definimos a educação para começar.

A tecnologia já está transformando a forma como ensinamos e aprendemos. As salas de aula digitais, as colaborações globais online e a aprendizagem personalizada são apenas o começo. O que essas tendências tecnológicas na EdTech levarão? O que a palavra “educação” significará 30 anos a partir de agora?

Dez anos atrás, o Projeto do Milênio se propôs a explorar este futuro radical da educação e lançou um relatório pioneiro chamado Educação 2030. Desde então, vimos que suas previsões, preocupações e soluções começarem a ganhar vida. Aqui estão alguns dos destaques.

Sistemas integrados de aprendizagem ao longo da vida

A educação não deve ser algo que você faz em uma instituição específica por um período específico de tempo para uma certificação. Em vez disso, deve ser uma jornada de exploração, auto descoberta e libertação ao longo da vida, impulsionada por recompensas intrínsecas.

A educação efetiva precisa ser integrada nas nossas experiências cotidianas, incluindo o entretenimento. De acordo com o relatório Educação 2030, a educação futura será adaptada aos usuários “em todas as faixas etárias, desde programas pré-natais, até programas para idosos que proporcionem conhecimento, trabalho e lazer”.

Uma mentalidade de aprendizagem ao longo da vida é essencial para ser empregável na força de trabalho futura. Um relatório do Fórum Econômico Mundial revelou que quase 65 por cento das funções que os alunos do ensino fundamental irão desempenhar no futuro ainda não existem.

Novas indústrias estão constantemente nascendo e morrendo por causa dessa aceleração tecnológica. Trabalhadores futuros precisam ser capazes de alavancar os MOOCs online e a vasta gama de recursos educacionais disponíveis para ganhar habilidades sob demanda.

É trágico como existem tão poucos currículos que se concentram no ensino de mentes jovens, em como aprender e não aprender de forma eficaz. Na era pós-industrial, o impacto da tecnologia significou que devemos ser ágeis e adaptáveis ​​às consequências imprevisíveis da evolução. Podemos ter que aprender habilidades e mentalidades sob demanda e colocar de lado aquelas que não são mais necessárias ao longo de nossas vidas.

E tem mais. Estes sistemas integrados de aprendizagem ao longo da vida também podem ser críticos para abordar as muitas fontes de infelicidade e problemas de saúde mentais vistos na sociedade de hoje.

Conforme apontado pelo relatório Educação 2030, a avaliação contínua dos processos individuais de aprendizagem pode ser projetada para evitar que as pessoas se tornem infelizes e “programas destinados a eliminar o preconceito e o ódio podem trazer um mundo mais bonito e amoroso”.

Experiências de aprendizagem imersiva

A realidade virtual e aumentada está revolucionando a experiência de aprendizagem. Elas permitem que os alunos viajem para a história antiga, viajem por todo o universo e visitem museus em diferentes países, tudo sem sair da sala de aula.

Um dos maiores feitos de tais tecnologias é que eles tornam a experiência de aprendizagem mais envolvente, inspiradora e transformadora. Elas nos permitem mudar de mentalidade e enviar mensagens poderosas através de experiências imersivas.

Por exemplo, o programa Google Expeditions Pioneer permitirá aos professores levar seus alunos em uma jornada em qualquer lugar do mundo. Seja explorar os recifes de corais, ou a superfície de Marte em uma tarde, os professores podem levar os alunos a visitas de campo virtuais imersivas. Esse seria o início de uma escola inteiramente virtual?

Essas experiências imersivas têm o potencial de contribuir para uma aprendizagem mais rápida, uma melhor retenção e uma melhor tomada de decisões. É importante notar que os currículos integrados com a tecnologia são tão importantes quanto a própria tecnologia.

Não há problema em digitalizar currículos já errados. Simplesmente implementar a realidade virtual não é suficiente, o conteúdo e os currículos implementados nesta tecnologia precisam ser inovadores. As viagens virtuais que levamos os alunos devem ser baseadas nas habilidades, valores e mentalidades relevantes que queremos incutir nas gerações futuras.

Melhoria cognitiva: Melhorando a Inteligência

A educação é cada vez mais tratada como uma ciência. Estamos vendo o surgimento da neuroeducação, em que os cientistas estão adquirindo uma melhor compreensão da mente, do cérebro e do processo de aprendizagem. Esses desenvolvimentos na compreensão de como nossas mentes operam podem ter implicações poderosas em nossas capacidades de aprendizagem. Muitos educadores estão sendo encorajados a usar essas descobertas para se adaptarem como elas ensinam.

Alguns especialistas ainda esperam um mapeamento completo das sinapses humanas para descobrir como a aprendizagem ocorre e, assim, desenvolver estratégias biológicas para a melhoria da aprendizagem. Compreender esses mecanismos também abrange o caminho para uma onda de drogas de aprimoramento cognitivo, inteligência geneticamente aprimorada e integração com dispositivos inteligentes artificialmente através de interfaces cérebro-máquina.

Parece uma ficção científica, mas já está começando a produzir efeitos.

No início deste ano, o primeiro estudo para mostrar melhorias cognitivas significativas para medicamentos de aprimoramento cognitivo, modafinil e metilfenidato, no xadrez, foi publicado na revista European Neuropsychopharmacology,e revista por pares.

Além disso, uma equipe de especialistas da Itália criou um plano para uma plataforma de e-learning que opera em uma interface cérebro-computador, chamada BRAVO, para personalizar a experiência educacional, de acordo com as reações e preferências dos usuários.

Enquanto o BRAVO atualmente está sendo executado em fones de ouvido EEG, essa tecnologia tem potencial para ser diretamente integrada com redes neurais artificiais embutidas em nossos cérebros. As implicações disso são profundas. Imagine poder baixar o valor de um campo completo de conhecimento diretamente em sua mente. Imagine poder carregar diretamente seus pensamentos e ideias na internet. Imagine a redefinição de seu cérebro sob demanda. O que a educação significará neste contexto?

Educação como uma ferramenta para a mudança de nível de civilização

Estendendo esta nova definição de educação, também devemos começar a ver a educação como uma ferramenta não apenas para auto aperfeiçoamento, mas também para impulsionar a mudança de nível de civilização. O especialista Marc Prensky, que promove ativamente a “mudança de civilização” na educação global, aponta que a maioria de nós tem uma perspectiva desatualizada sobre o que significa educação e o que serve para fazer. Precisamos usá-la como uma ferramenta para inspirar e capacitar as mentes jovens com as ferramentas necessárias para contribuir para o progresso humano.

A escala de Kardashev e os tipos de civilizações.

As ferramentas tecnológicas descritas neste artigo podem ser poderosas e é importante reconhecer que elas podem ser usadas para melhorar ou piorar a sociedade. Uma das maiores questões da educação, que só será ampliada à medida que essas novas capacidades surgirem, é a falta de acesso universal. O relatório Educação 2030 assinala que os órgãos governamentais devem desenvolver maneiras de incentivar o uso democrático e justo dessas novas tecnologias sem deixar seu abuso por parte das poucas pessoas em desvantagem.

Pior ainda, muitos órgãos políticos verão essas novas capacidades educacionais como uma ameaça ao seu poder. Na verdade, algumas dessas técnicas serão proibidas para perpetuar regimes, ideologias e estruturas de crença existentes em vários lugares ao redor do mundo.

Escala de Kardashev: Porque a Terra é uma civilização tipo zero?

“Nossa civilização está agora em processo de mudança”, diz Prensky. “Aqueles lugares do mundo que tomam ações rápidas e apropriadas para implementar um novo paradigma educacional serão aqueles em que as crianças prosperarão e desabrocharão no futuro”. E os lugares que não atrasarão o caminho do progresso humano.

Fonte: SingularityHub

Publicações relacionadas

One Thought to “Como a tecnologia está transformando a maneira como ensinamos e aprendemos”

  1. […] Fonte: Como a tecnologia está transformando a maneira como ensinamos e aprendemos […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: