Imagem de Marte da sonda Viking 2. (Crédito: NASA)Ciência Extraterrestre 

Se existir vida em Marte, não a reconheceremos

Imagem de Marte da sonda Viking 2. (Crédito: NASA)
Imagem de Marte da sonda Viking 2. (Crédito: NASA)

A busca por vida extraterrestre se expandiu para além dos limites do sistema solar e as hordas de exoplanetas que circulam estrelas desconhecidas, mas a busca está longe do fim em um planeta que está bem do nosso lado.

Marte acena como uma potencial fonte de vida, não porque está próximo de nós e é mais fácil de estudar, mas também por causa da tal evidência de água que talvez ainda, tenha fluido pela superfície do planeta. Acrescentando, componentes orgânicos, embora provavelmente não serem de origem biológica, foram descobertos no solo de Marte, o que significa que os principais blocos para a construção da vida já poderiam estar lá.

Nós poderíamos até não reconhecer a vida marciana

Ainda assim, a mera presença de material orgânico está muito longe da vida biológica. E, se a vida existe em Marte, ela teria que lidar com condições muito mais extremas do que qualquer lugar na Terra, o que significa que o suficiente para a vida aqui não seria no Planeta Vermelho. A vida em Marte pode parecer tão diferentes que nem sequer reconheceríamos. Se a vida em Marte foi o resultado de uma “segunda gênese”, isto é, começou completamente separada da vida na Terra, poderia usar combinações de produtos químicos orgânicos que nunca vimos antes, e não saberíamos o que procurar.

De fato, podemos realmente ter descoberto vida em Marte décadas atrás. Quando a sonda Viking chegou em 1976, e realizaram uma série de experimentos para testar se há vida, os quais deram negativos. Mas estávamos realizando os experimentos certos?

Joop Houtkooper, da Universidade de Giessen, acha que pode ter inadvertidamente destruído a vida que estávamos tentando encontrar. Ele levanta a hipótese de que as potenciais formas de vida em Marte poderiam lidar com o frio extremo através da incorporação de peróxido de hidrogênio em sua biologia, misturando-se com água, eles evitariam o congelamento e seriam capaz de sobreviver em Marte. O peróxido de hidrogênio é um anátema para a vida na Terra – é isso que o faz ser um desinfetante útil – e pode ser por isso que os pesquisadores nunca pensaram em procurar por ela.

Uma breve esperança pela vida

 

Durante um dos experimentos da sonda Viking, ela detectou rapidamente um sinal positivo fraco, o que, em seguida, desapareceu. Houtkooper pensa que este ligeiro desvio era o resultado da adição de água pelos investigadores à sua experiência, um passo que matou todas as formas de vida com base em peróxido de hidrogênio. Testes para formas de vida especializadas, tais como aquelas da hipótese proposta por Houtkooper exigiriam uma experiência especializada, bem como outra viagem do rover a Marte.

A visualização em corte da azotosome teorizado por pesquisadores de Cornell. (Crédito: James Stevenson / Cornell)
A visualização em corte da azotosome teorizado por pesquisadores de Cornell. (Crédito: James Stevenson / Cornell)

Tal viagem provavelmente não vai acontecer tão cedo. A teoria de Houtkouper tem sido criticada por outros cientistas, e não há provas concretas do surgimento de bactérias com peróxido de hidrogênio. Mas a teoria de Houtkooper aponta para uma consideração importante na busca de vida fora da Terra: Nós não devemos basear nossas suposições sobre a vida extraterrestre no que observamos na Terra.

O conceito de expandir nossa busca por vida além das regras da biologia da Terra está ganhando força. No ano passado, uma equipe de pesquisadores de Cornell criaram um organismo semelhante a um vírus hipotético eles chamaram de um azotosome, que dizem que poderiam viver nos mares de metano da lua de Saturno, Titã. Usando compostos derivados de metano, os pesquisadores descreveram uma forma de criar um lipossoma – uma barreira de células que é necessário para a sua sobrevivência circundante – que poderia levar a vida biológica bem adaptado para uma clima com menos 290 graus Fahrenheit de Titã. Enquanto sua azotosome é puramente teórica, a química mantém-se, dizem eles, o que significa que há uma chance de que poderia existir.

Enquanto as bactérias peróxido de hidrogênio e azotosomes são apenas teorias, ambos sugerem em uma consideração importante para a astrobiologia: A vida fora da Terra pode parecer totalmente diferente no planeta vermelho, e podemos até não saber o que estamos procurando. Imaginar os organismos biológicos que quebram todas as regras da vida na Terra, pode nos deixar um passo mais perto de realmente encontrá-los em outro lugar.

Fonte: DiscoveryBlog

Compartilhe!

Publicações relacionadas

Leave a Reply

3 Thoughts to “Se existir vida em Marte, não a reconheceremos”

  1. Se entendi direito, leiga falando, seria uma vida diferente da nossa, temos mais menos 75% de água em nosso corpo, seria uma vida com porcentagem menor de água, e que teria outros componentes necessários pra viver em marte, então aquela colonia que Shuazzenner foi exilado, não existe. Ainda. Porque no filme o ouro lá era a produção de oxigenio.

    1. Arnold Shuazennegger no filme O Sobrevivente, acho que era Marte;
      Adoro.

    2. Existem muitos filmes de ficção que especulam uma suposição científica para fazer suas superproduções, não quer dizer que isso possa ocorrer realmente. Sobre os tipos de vida, elas são do tipo microscópicas, desconhecidas, a maneira na qual estão sendo efetuando as buscas hoje podem estar totalmente erradas, justamente pelo fato de que a vida na Terra é suportada diferentemente do planeta Marte, por exemplo. Espero ter esclarecido Reh, qualquer coisa é só pedir

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: