Realidade Virtual 

Realidade Virtual: Uma revolução no jornalismo

NYT-VR-Cover-1024x576

Os artistas de rua normalmente trabalham nas sombras. Mas no dia 11 de abril o artista francês JR desenhou uma peça estonteante no coração de Manhattan em plena luz do dia. Seu trabalho manual foi removido em 24 horas, o que significa que assim como muitos acontecimentos mágicos que acontecem na cidade de Nova York, você deve ter perdido. Mas não se preocupe, você poderá ver em realidade virtual.

O trabalho de JR, uma imagem de 150 pés de altura em branco e cinza de um imigrante do Azerbaijão de 20 anos de idade chamado Elmar Aliyev colado na faixa de pedestres em frente ao prédio Flatiron, foi criado para a capa da revista dominical da Revista New York Times. A publicação encomendou ao artista a confecção da peça de arte, e também fotografou-a de um helicóptero. A revista capturou todo o trabalho para uma experiência de realidade virtual para ser apresentada na NewFronts.

NYT-Magazine-June26Cover-818x1024

“Para além da realidade virtual fazer parte disso, esta cobertura era descontroladamente ambiciosa e um tipo de loucura”, diz o editor-chefe da Revista Times, Jake Silverstein. “Nós tiramos uma fotografia, colada no chão, voamos em um helicóptero, e tiramos uma foto de tudo. Parte de mim pensava: ‘Ninguém vai acreditar que nós fizemos isso’. “Eles vão pensar que é Photoshop ou algo assim. Foi uma oportunidade maravilhosa para usar a Realidade Virtual para transportar o leitor não a um lugar que é inatingível, porque isso foi feito bem no meio de Manhattan, mas apenas por um tempo, uma vez que agora se apagou.

Se você quiser assistir “Walking New York”, e tem o Google Cardboard ou outra opção móvel para Realidade Virtual, poderá acessá-la através do aplicativo VRSE, a equipe que produziu o vídeo. A experiência não vai alcançar milhões de pessoas como faz o Times, mas sendo feito pelo papel de registro é um grande passo para o que ainda é um meio que esta se desenvolvendo.

Nos últimos dois anos, a realidade virtual tem sido apontada como o futuro de um monte de coisas: videogames, cinema, troca de gênero. Agora, a Times Magazine está mostrando o que pode fazer para o jornalismo. É um pequeno passo, claro, mas Silverstein diz que é também um caso de testes para o que é possível quando se trata trazer realmente as pessoas para novas histórias. “Nós estamos animados em tentar descobrir isso”, acrescenta. “Você pode imaginar as maneiras em que a realidade virtual pode realmente amplificar parte do trabalho que fazemos, especialmente com o noticiário internacional.”

A importância da realidade Virtual para o jornalismo

Um monte de perguntas sobre a importância da realidade Virtual para o jornalismo sempre voltam a questão da empatia – o chavão atual no cinema de RV. Pegando uma página da afirmação de Roger Ebert que um filme é uma “máquina de empatia,” as pessoas animadas sobre o potencial da narrativa em RV gostaria de salientar que nada mais vai fazer uma pessoa compreender com um protagonista se sente praticamente vivendo em seu mundo. Então, quando um protagonista é um residente de um país devastado pela guerra, digamos, ou manifestante nas ruas, que o potencial para a empatia é bastante considerável. Mesmo Palmer Luckey do Oculus VR, aludiu isso, dizendo a WIRED “porque a realidade virtual tem a capacidade de colocá-lo em lugares de uma forma muito mais real, ele tem o potencial para ser uma tela muito melhor.”

Chris Milk entende disso. Não foi apenas a sua empresa VRSE que a Times Magazine aproveitou para tornar a experiência de realidade virtual a sua capa, a experiência também será lançado em seu aplicativo VRSE, ele já fez isso antes. No início deste ano, ele lançou uma colaboração com o vice e diretor Spike Jonze que permitia aos espectadores experimentar Millions March em Nova York no final de 2014. Ao mesmo tempo, ele lançou uma obra que fez com as Nações Unidas chamada “Clouds Over Sidra,” que seguiu a vida de uma menina síria de 12 anos de idade em um campo de refugiados na Jordânia.

Realidade virtual é um meio tão fascinante para o jornalismo porque dois grandes fatores de RV são a sensação de transportá-lo para algum lugar”, diz Milk, que co-dirigiu “Walking New York” com JR e Zach Richter , “e, secundariamente, mas tão importante quanto isso, ela faz uma conexão com as pessoas dentro daquele lugar.”

Não que possamos iniciar o envio de jornalistas com equipamentos de filmagem em realidade virtual amanhã. Por um lado, nem todos têm as oito câmeras personalizadas e uma plataforma de microfones binaurais que Milk usa. (No entanto, sua empresa a VRSE.tools está trabalhando nisso.) Há também uma curva de aprendizado enorme para aqueles que querem saber como fazer realidade virtual, e o público é ainda limitado. (“Um dos desafios da RV é que a entrega disto a um usuário pode ser um desafio e há muitos pontos de atrito”, diz Silverstein.) Depois, há o fato de que notícias e jornalismo se movem muito mais rápido do que a produção em realidade virtual. “A linha do tempo sobre este assunto tem sido um pouco insana,” Milk diz um pouco triste.

Mas o ex-repórter da Newsweek Nonny de la Peña já está usando a realidade virtual para mostrar reconstruções do tiroteio de Trayvon Martin e disse que a plataforma “será uma parte comum de como os jornalistas contam as histórias no futuro.” A Columbia Journalism Review chama realidade virtual de “a próxima fronteira” para as redações que “precisam considerar contar as histórias de uma forma diferente”.

Assim como as pessoas jovens na escola de jornalismo, há cinco anos aprendi que o Twitter era importante para elaboração de relatórios, em breve eles podem estar aprendendo a filmar com uma câmera de 360 graus. O mesmo vale para documentaristas. “Como esses jornalistas mais jovens estão saindo da escola de jornalismo aprendendo a contar e relatar histórias de uma maneira única”, diz Rebecca Howard, chefe de vídeo do Times . “Eles estão saindo animados para colocar suas mãos de qualquer maneira que puderem a fim de contarem histórias e utilizar tecnologias para fazê-lo.”

Observando a experiência de realidade virtual uma revolução

Mas esse é o futuro. Por enquanto se trata sobre o que podemos fazer com as ferramentas que temos. O que não é tão ruim. Observando a experiência de realidade virtual para a capa Times Magazine é legal não só porque é bonito e artístico, mas também porque ele te leva para cima em um helicóptero e te deixa pendurado para fora de uma janela do próprio edifício Flatiron. É curto, legal, e hipnotizante. Mas o que JR pensa sobre seu trabalho indo para a realidade virtual?

“É mágico”, diz ele. “Eu tento usar mundos virtuais para trazer as pessoas para a ação no mundo real. Espero que este filme mostre, a parte divertida da imagem estar lá a fazer a imagem. “Espero que possamos levar as pessoas a fazer o seus próprios projetos.”

Dito de outra forma, a realidade virtual é grande, especialmente quando ela te tira para fora do mundo ao seu redor.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Essa é uma tradução livre feita por Lyngeri para o blog Suprimatec de um artigo feito por Angela Watercutter para o site Wired, para ver a portagem original em inglês, clique aqui: How The NY Times Is Sparking the VR Journalism Revolution

Perdeu alguma postagem da série sobre Realidade Virtual?Clique aqui

Publicações relacionadas

4 Thoughts to “Realidade Virtual: Uma revolução no jornalismo”

  1. […] Como o NY Times está desencadeando a Realidade Virtual na Revolução do Jornalismo […]

  2. […] Realidade Virtual: Uma revolução no jornalismo/Por dentro da máquina de empatia: Realidade Virtual, Neurociência, Raça e Jornalismo […]

  3. […] Empresas de tecnologia estão desenvolvendo novos gadgets para avançar a realidade virtual como um entretenimento imersivo e plataforma de jogos. Outros, como o produtor Chris Milk, têm esperanças de que o potencial da tecnologia vá além do simples entretenimento.Realidade Virtual: Uma revolução no jornalismo […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: