Segurança 

Precisamos de um Projeto Manhattan para Segurança Cibernética

Barack Obama
O presidente Barack Obama quando chega para entregar seu discurso no Estado da União a uma sessão conjunta do Congresso na Capitol Hill, em Washington.(foto Associated Press/ Mandel Ngan, Pool)

Das 6.494 palavras pronunciadas pelo presidente Obama em seu discurso de janeiro de 2015 direcionado ao Estado da União, apenas 108 delas foram dedicados ao tema da crescente insegurança tecnológica. Claro que o líder do mundo livre tem muito com que se preocupar, mas a proposta legislativa do presidente para “melhorar o compartilhamento de informação” e “monitorar a violação nacional de dados de relatórios” provavelmente terão um impacto minúsculo contra um problema que já é grave e está cada vez mais crescente.

Na verdade sugerindo essas míseras ofertas não faria qualquer diferença significativa na nossa segurança cibernética global, seria semelhante a aplicar protetor solar, alegando que nos protege de uma fusão nuclear, totalmente inadequado para a escala e a gravidade do problema. É hora de repensar friamente no nosso atual estado das coisas. É hora de um Projeto Manhattan para segurança cibernética.

Os principais incidentes de ciberataques ao longo dos últimos meses, os ataque alegadamente efetuados pela Coreia do Norte à Sony Pictures ou as centenas de milhões de contas da Target, Home Depot, e JP Morgan Chase supostamente penetradas pelo crime organizado russo tornam claro que todos os nossos dados on-line, sejam eles financeiros, pessoais ou intelectuais, estão em risco.

Mas nós temos um problema maior. Os computadores que fazem o mundo funcionar. Eles estão nos nossos aeroportos, nos aviões, carros, hospitais, mercados de ações e redes de energia, e esses computadores também são chocantemente vulneráveis a ataques. Embora nós estejamos correndo em uma velocidade de quebrar o pescoço para conectar todos os objetos do nosso mundo físico, as ferramentas que precisamos para executar a nossa sociedade, à Internet, ainda não têm fundamentalmente a computação confiável necessária para fazer isso.

Colocamos um fio no mundo, mas não conseguimos segurá-lo.

Na verdade, tornou-se claramente evidente que já não podemos negligenciar a segurança, a ordem pública, de implicações legais, éticas e sociais das ferramentas tecnológicas rapidamente emergentes que estamos desenvolvendo. Nós somos moralmente responsáveis ​​por nossas invenções e, embora nossos avanços tecnológicos estão se desenvolvendo a um ritmo exponencial, as nossas instituições de governo permanecem decididamente linear. Há uma incompatibilidade fundamental entre o mundo que estamos construindo e nossa capacidade de protegê-lo. Embora ainda temos de sofrer o tipo de ataque cibernético calamitoso dos quais muitos têm alertado, por que esperar até lá para se preparar?

Há bons exemplos na história em que nós, como sociedade reuniram conhecimentos na expectativa de risco catastrófico antes que ocorresse. Quando foi descoberto em 1939 que os físicos alemães tinham aprendido a dividir o átomo de urânio, muitos medos se espalharam por toda a comunidade científica americana de que os nazistas logo teriam a capacidade de criar uma bomba capaz de destruição inimaginável. Albert Einstein e Enrico Fermi concordaram que o presidente Franklin Delano Roosevelt teve de ser informado da situação.

O Projeto Manhattan
Albert Einstein conversa com Robert Oppenheimer sobre estudos atômicos

Pouco tempo depois, o Projeto Manhattan foi lançado, um esforço secreto épico dos Aliados durante a Segunda Guerra Mundial para construir uma arma nuclear. Instalações foram criados em Los Alamos, Novo México, e Robert Oppenheimer foi nomeado supervisor o projeto. De 1942 a 1946, o Projeto Manhattan  empregava clandestinamente mais de 120.000 americanos que trabalhavam o tempo todo e em todo o país, a um custo de US $ 2 bilhões. Aqueles que trabalham no Projeto Manhattan estavam muito certos sobre a ameaça antes deles. Nós não estamos.

As perspectivas atuais que não transmitem segurança

Embora nenhuma pessoa em sã consciência iria equiparar os riscos do impacto catastrófico da guerra nuclear com os que envolvem 100 milhões de cartões de crédito roubados, devemos certamente reconhecer que os fundamentos da nossa sociedade tecnológica moderna, incorporado em nossas infra-estruturas críticas de informação globais, são fracos e sujeitos a desmoronar, seja através de seu envelhecimento e decomposição da arquitetura, a complexidade esmagadora do sistema ou através de um ataque direto por atores maliciosos. Estamos atrasados no tempo para implantação de um Projeto Manhattan para a Cyber Segurança.

Emblema do antigo Projeto Manhattan
Emblema do antigo Projeto Manhattan

Eu não sou o primeiro a sugerir um tal empreendimento; muitos outros já fizeram isso antes, mais notavelmente após os ataques de 11 de setembro. Na época, uma coalizão de cientistas proeminentes escreveu as presidente George W. Bush uma carta de advertência: “A infra-estrutura crítica dos Estados Unidos, incluindo energia elétrica, finanças, telecomunicações, saúde, transporte, água, defesa e da Internet , está altamente vulnerável a ataques cibernéticos. É necessária uma ação rápida e resoluta atenuante para evitar o desastre nacional”.

Os signatários da carta incluíam universitários, livres pensadores, empresas de tecnologia e agências governamentais. Esses pensadores sérios, não propensos a hipérbole ou exagero, advertiram que o grave risco de ataque cibernético era um perigo real e presente e apelou para o presidente agir imediatamente na criação de um projeto de ciber-defesa inspirado no Projeto Manhattan. Esse chamado para ação foi feito em 2002.

Infelizmente, muito pouco mudou desde então no que diz respeito ao estado de insegurança cibernética do mundo; isso se alguma coisa mudou, a situação piorou. Claro, tem havido esforços nominais, mas muito pouco progresso substantivo. Qual é a estratégia global da América para nos proteger das ameaças tecnológicas rapidamente emergentes que enfrentamos? Nós simplesmente não temos um! Mas podemos viver para lamentar um problema sério.

Um Projeto Manhattan real para a segurança cibernética seria reunir algumas das maiores mentes do nosso tempo, do governo, das universidades, do setor privado e da sociedade civil. Servindo como organizadores e financiadores, o governo reuniria os melhores e mais brilhantes cientistas da computação, empresários, hackers, autoridades big-data, pesquisadores científicos, capitalistas de risco, advogados, especialistas em políticas públicas, policiais e funcionários de saúde pública, o pessoal militar e de inteligência. Seu objetivo seria a criação de uma verdadeira capacidade nacional de ciber-defesa, que poderia detectar e responder a ameaças contra as nossas infra-estruturas críticas nacionais e internacionais em tempo real.

Este Projeto Manhattan seria para ajudar a gerar as ferramentas associadas que precisamos para nos proteger, incluindo sistemas operacionais mais robustos, seguros e com reforço na privacidade. Através da pesquisa, ele também poderia projetar e produzir software e hardware que fossem auto-suficientes e muito mais resistentes a ataques e resistente a falhas do que qualquer coisa disponível hoje. Tal projeto de importância nacional e mesmo mundial teria a visão, o escopo, recursos, apoio orçamental, e talvez mais importante, um verdadeiro sentido de urgência necessária, a fim de torná-lo um sucesso.

Ao reunir aqueles na vanguarda dos seus respectivos campos, este Projeto Manhattan também seria capaz de prever o que poderia acontecer no futuro. Embora as tecnologias de hoje tem sido uma benção para os atores ilícitos, eles são insignificantes em comparação com a amplitude e o alcance da mudança tecnológica que vai se desdobrar rapidamente diante de nós nos próximos anos.

Logo uma infinidade de tecnologias exponenciais agora apenas em sua infância, tais como a robótica, inteligência artificial, impressão 3-D, e biologia sintética, estarão em cima de nós, e com eles virá profundamente, talvez até mesmo alterar a vida e as oportunidades para o bem , mas também para o mal. Neste mundo exponencialmente acelerado a capacidade de uma única pessoa afetar muitos, para o bem ou para o mal, está agora em uma escala exponencial, com implicações para a nossa segurança comum.

Apesar disso, nos arrastamos para frente, adotando tecnologias mais recentes, mais brilhantes, cada uma com a promessa de resolver um problema novo ou entregar uma conveniência particular. O problema não é que a tecnologia é ruim; na verdade, é a promessa da ciência e da tecnologia para um grande benefício para a humanidade. O problema, como vimos, é que aqueles com conhecimento tecnológico, sejam eles criminosos, terroristas ou governos desonestos, pode usar tal conhecimento para explorar o crescimento exponencial de um público em geral no seu prejuízo.

Há uma tempestade que começou s se formar antes de nós. O alicerce tecnológico em que estamos construindo o futuro da humanidade é profundamente instável é como um castelo de cartas pode desabar a qualquer momento. É hora de construir uma maior resiliência em nossa rede global de informação, a fim de evitar uma queda colossal do sistema. Se quisermos sobreviver ao progresso oferecido por nossas tecnologias e desfrutar de sua graça abundante, é preciso primeiro desenvolver mecanismos adaptativos de segurança que pode igualar ou ultrapassar o ritmo exponencial das ameaças diante de nós. Não há tempo a perder.

  • Tradução e adaptação feita por Suprimatec do artigo de Marc Goodman publicado no site Singularity Hub.

Future Crimes_9.15

Publicações relacionadas

8 Thoughts to “Precisamos de um Projeto Manhattan para Segurança Cibernética”

  1. Acho que quando não se incluiu o que o Edward Snodew contou ao mundo num artigo sobre segurança cibernética perde um pouco o propósito…

    1. Com certeza, mas essa á a primeira publicação de uma série sobre segurança cibernética que vou postar aos poucos no blog, estou preparando um pequeno roteiro para chegar até ele. Obrigado por compartilhar Valéria!

      1. Então, tá! 🙂 Irei acompanhar!

  2. Vai falar também do Wikileaks?

    1. tudo o que você me lembrar ai pode escrever, vai me ajudar a construir a linha editorial dessa série, se tiver alguma curiosidade específica pode pontuar também, gosto de fazer investigação.

  3. O mundo e suas necessidades, cara, que preguiça.

  4. […] sobre o estado geral da segurança cibernética, recomendamos artigo recente de Goodman, “Precisamos de um Projeto Manhattan para Segurança Cibernética.” E mantenha-se atento para a parte dois da entrevista na próxima […]

  5. […] Mas o governo tem um papel a desempenhar. Nós pagamos impostos demais para ele se abdicar da proteção dos cidadãos de uma nação. Eles devem melhorar significativamente o seu desempenho, e isso vai exigir uma ajuda considerável do o setor privado e das faculdades para chegarmos lá. É por isso que eu chamei por um “Projeto Manhattan para Segurança Cibernética“. […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: