Ciência Tecnologia 

Porque os cientistas dizem que sinais Wi-Fi não vão dar câncer a suas crianças

wi fi (2)

Essa é uma sugestão de matéria feita pelo Leandro Tissiano blog Pro Seu Dia Ficar Melhor, espero poder receber mais sugestões a fim de ampliar a gama de publicações de acordo com o interesse dos amigos seguidores.

Fala Eder! Gostaria de um assunto aqui no Blog. O tema seria “A influência das ondas Wi-Fi na saúde do corpo.” Andei pesquisando a respeito e existem pessoas sensíveis a elas. Vocês poderiam abordar se isso é verdade mesmo? Fiquei preocupado. E como esse Blog é visionário, vocês são autoridades no assunto.

Antes de entrarmos na preocupação do nosso amigo, vamos entender um pouco sobre o assunto:

O que é internet sem fio (Wi-Fi)?

Wi-Fi é simplesmente uma rede de computadores que não usa fios para comunicação, uma maneira de obter Internet de banda larga. Com ela é possível conectar vários computadores ao mesmo tempo, em qualquer lugar da casa, não sendo necessário instalar linhas telefônicas ou cabos adicionais.

Ele é amplamente instalado em cafés, aeroportos e muitos outros edifícios públicos. Você provavelmente deve ter visto alguém na cafeteria ou em um posto de combustíveis local, navegando na internet em um computador laptop, eles provavelmente estão usando uma rede Wi-Fi.

O Wi-Fi usa ondas de rádio, assim como a TV ou os telefones móveis. Um transmissor sem fio recebe informações da Internet através de sua conexão de banda larga. O transmissor converte a informação em um sinal de rádio e envia-o para seus receptores previamente configurados.

Pense no transmissor como uma mini estação de rádio, transmitindo sinais enviados a partir da Internet. A “audiência” para estas transmissões são os celulares, Smartfones e computadores, que recebem o sinal de rádio através de um adaptador sem fio.

Agora vamos fazer uma análise de como essa informação chega até nossos computadores e celulares, sabemos que existem muitas especulações sobre as ondas de rádio que atravessam quase tudo, até nosso corpo, afinal, ela é uma tecnologia que permite aos dispositivos eletrônicos se comuniquem utilizando as radiofrequências na faixa de 2.4 gigahertz e 5 gigahertz dependendo da quantidades de dados. Veja abaixo:

frequência da onda wifi
A frequência 5 GHz é mais ampla e possui 23 canais de transmissão que não se sobrepõem, contra apenas 3 canais nos 2,4 GHz. Isso faz com que exista menos interferência na frequência mais alta.

Mas vamos ver o outro lado da moeda, além de ser um dos principais meios de comunicação presente no mundo, existem preocupações sobre as consequências da superexposição a tais frequências, o que veremos em seguida.

Estudo sugere que a exposição ao Wi-Fi pode ser mais perigoso para as crianças do que se imaginava antes.

A maioria dos pais ficariam preocupados se suas crianças tivesse uma exposição significativa a chumbo, clorofórmio, vapores de gasolina, ou o pesticida DDT. A Agência Internacional de Pesquisa do Câncer, parte das Nações Unidas e Organização Mundial da Saúde classifica estes e mais de 250 outros agentes cancerígenos como Classe 2B, possivelmente cancerígeno para os seres humanos. Outro item que entrou nessa lista é a radiofrequência e campos eletromagnéticos (RF/EMF). A principal fonte destas frequências são os rádios, a televisão, fornos de microondas, telefones celulares e outros dispositivos Wi-Fi.

Isso poderia ser mais uma invenção sobre os perigos de nossos sistemas de comunicação? Obviamente estes dispositivos estão mais presentes do que nunca na sociedade moderna, mesmo se fosse nosso desejo, não poderíamos eliminar totalmente nossa exposição ou a das crianças das RF e EMF, mas podemos limitar, quando possível.

Isso estava entre as conclusões de um artigo de pesquisa controverso publicado no Jornal de Microscopia e Ultraestrutura intitulado “Por que as crianças absorvem mais radiação de microondas do que os adultos:. As conseqüências” A partir de uma análise de outros estudos, os autores argumentam que as crianças e adolescentes estão em considerável risco por causa de equipamentos que irradiam microondas (e que os adultos estão em um menor, mas ainda significativa, o risco). Os seguintes pontos foram oferecidas para essa consideração:

  • Crianças absorvem uma maior quantidade de radiação micro-ondas do que os adultos.
  • Fetos são ainda mais vulneráveis do que as crianças. Por isso as mulheres grávidas devem evitar expor o feto à radiação de microondas.
  • As adolescentes e mulheres não deve colocar telefones celulares em seus sutiãs ou em hijabs (véu).
  • Manuais de celulares avisos deixar claro um problema superexposição existe.
  • Advertências do governo foram emitidas, mas a maioria do público não tem conhecimento dessas advertências.
  • Limites de exposição atuais são insuficientes e devem ser revistos.
  • Os dispositivos sem fio são transmissores de rádio, não brinquedos. Venda de brinquedos que usam eles devem ser monitorados mais de perto.

Crianças e fetos absorvem mais radiação de microondas, de acordo com os autores, porque seus corpos são relativamente menores, seus crânios são mais finos, e seu tecido cerebral é mais absorvente.

Criança com tablet
Será que os benefícios de aplicações de aprendizagem imersiva superam os perigos do aumento da exposição celular e Wi-Fi para as crianças? (Crédito da imagem: Intel Free Press via Wikipedia)

Este não é um chamado para jogar fora todos os dispositivos eletrônicos. No entanto, pelo menos, deve abrir a discussão sobre os diferentes níveis de segurança para adultos e crianças. Esperemos que mais estudos longitudinais sejam feitos para verificar ou contradizer as hipóteses até agora. Nesse meio tempo, as normas vigentes do governo são adequadas? Os níveis de exposição que eles advertem não parecem ter sido atualizados a mais de 19 anos.

Em um artigo de opinião da Network World ameaçadoramente intitulado “Wi-Fi está nos matando … lentamente?” O colunista Mark Gibbs ressalta o ponto que “… as leis e advertências são todas muito boas, mas é praticamente certo que todas as restrições aos produtos que utilizam tecnologia de microondas param no no lado seguro; isto é, o lado que é seguro para a indústria, e não o lado do que é seguro para a sociedade “. Gibbs, em seguida, adiciona esta pergunta com um fechamento sinistro, “Será que vamos olhar para trás, daqui cinquenta ou cem anos e se maravilhar com a forma como Wi-Fi e os celulares foram responsáveis pela maior crise de saúde na história humana?”

Mas, em um curto cenário no pior dos casos, o tema certamente merece um maior esclarecimento, e talvez alguns limites do senso comum sobre que tipo de dispositivos nossas crianças usam, e por quanto tempo.

Porque os cientistas dizem que sinais Wi-Fi não vão dar câncer a suas crianças

A carga de informações desencontradas nestes estudos e nessas alegações deixa uma lacuna não só nas leis e regulações existentes, existem vários fatores que levam ao câncer inclusive fatores ligados a alimentação, e o que não foi mencionado acima é que mesma categoria inclui legumes em conserva (alguns estudos epidemiológicos apontam para o câncer de estômago), copos de isopor, e café.

Em vez disso, substâncias como o chumbo são mencionadas, embora a sua grande desvantagem é que é venenoso e pode causar danos cerebrais. Se seu filho está exposto ao chumbo, o câncer não é a maior preocupação.

Ainda assim, por que não estipular um limite seguro de exposição RF até sabermos mais? Esse é o princípio da precaução, que tem a lógica para isso e está por trás da obrigação legal em testar novos medicamentos ou aditivos alimentares seguros antes que eles sejam lançados ao público. Ausência de evidência de dano não é evidência nenhuma de segurança.

Mas com a radiação RF, já há evidências de que ele seja extremamente improvável um agente cancerígeno. Por um lado, não há nenhum mecanismo plausível pelo qual telefones celulares ou dispositivos Wi-Fi podem causar câncer, disse Leonard Finegold, professor de física na Universidade de Drexel.

Não é apenas que nós não sabemos exatamente como as ondas de RF poderiam causar câncer. É que não há nenhuma maneira plausível para que isso aconteça sem reescrever as leis da física e da biologia. É pela mesma razão que a maioria dos cientistas demitiram a medicina homeopática, não existe uma razão comprobatória que elimine o tratamento, pois não existe nada de errado nele.

O tipo de radiação emitida pelos dispositivos sem fios faz parte do espectro electromagnético, que inclui radiação infravermelha, luz visível, ultravioleta e de raios-x. A radiação eletromagnética pode ser pensado como ondas ou como fótons de diferentes energias, o comprimento de onda é mais curto no fim do espectro e carrega mais energia por fóton.

A radiação pode ser separada em duas categorias: ionizante e não-ionizante, a primeira pode quebrar as moléculas que compõem as coisas, enquanto a outra apenas passa pelos objetos ou converte em calor quando atravessa eles.

As redes Wi-fi operam na mesma frequência que um forno microondas. Usa radiação não-ionizante, quando atinge um objeto, é convertida em calor, não faz nenhuma mudança na composição do objeto, é inofensivo, a única coisa que pode fazer é aquecer seu corpo, mas muito pouco, quase imensurável.

A radiação ionizante é perigosa, temos como exemplo os raios ultravioletas e radiação nuclear. Ela não apenas aquece você, ela muda a composição das moléculas que compõem seu corpo, mudam o DNA das suas células causando câncer.

Somente a raios gama, raios X e UV fótons carregam energia suficiente para danificar o DNA e causar mutações. Este é o mecanismo conhecido pelo qual a radiação aumenta o risco de câncer. Telefones celulares e outros dispositivos sem fio não tem energia suficiente para alterar o DNA. Assim, para a ameaça ser real, a energia RF teria de causar câncer através de algum mecanismo exótico, ou as leis da física estão errados em algum nível fundamental. Se as leis estivessem tão erradas, disse Finegold, nossos celulares não iriam funcionar.

Houve um caso em que as ondas de RF causaram danos, disse ele. Nos primeiros dias do radar, os trabalhadores expostos desenvolveram um número incomum de catarata. Que foi amarrado ao calor transmitido pelas ondas RF, calor que algumas partes do olho não poderiam dissipar. Aquecimento, no entanto, não é um mecanismo conhecido por causar câncer.

A radiação do telefone celular é mais poderosa do que a emitida por dispositivos Wi-Fi e a preocupação predominante é o câncer de cérebro, já que as pessoas tendem a manter os telefones celulares contra suas cabeças. Se os telefones celulares causassem câncer no cérebro, dizem os cientistas, com certeza já poderíamos ter visto um aumento nos casos em geral, mas isso não aconteceu.

A história também afirmou que o governo emitiu um alerta sobre os nossos dispositivos. Mas o CDC e FDA não oferecem tais advertências e o FDA até tranquiliza o povo em seu site:

“O peso da evidência científica não tem ligado os telefones celulares com quaisquer problemas de saúde … .Durante os últimos 15 anos, os cientistas realizaram centenas de estudos que olham os efeitos biológicos da energia de radiofrequência emitida por telefones celulares.

Enquanto alguns pesquisadores relataram mudanças biológicas associadas à energia de RF, esses estudos não conseguiram ser replicados. A maioria dos estudos publicados não conseguiram demonstrar uma associação entre a exposição a campos de radiofrequência de um telefone celular a problemas de saúde.

Existe algum mal nestes tipos de ameaças à saúde? Sim, disse Brawley da sociedade do câncer, que falou via telefone celular. O problema é que ele distrai dos riscos mais importantes de câncer, como o tabagismo. E agora um fator de risco emergente de longo prazo para as crianças é ter pais que se recusam a levá-los para vacinar contra a classe de vírus conhecido como HPV. Estes estão implicados na maior parte dos casos de câncer do colo do útero, bem como alguns cânceres da cabeça e pescoço.

Apesar da evidência esmagadora que liga estes vírus ao câncer, e as provas que as vacinas funcionam se dado antes que as pessoas se tornem sexualmente ativas, apenas 34 por cento das crianças elegíveis se vacinam, disse Brawley. “Se você sobrecarregar as pessoas com mensagens de saúde que não importam”, disse ele, “dilui a recepção de mensagens de saúde que realmente importam.”

Fontes:

Publicações relacionadas

8 Thoughts to “Porque os cientistas dizem que sinais Wi-Fi não vão dar câncer a suas crianças”

  1. Uhau! Não fazia ideia. Ótimo post. Repassando. Bjs

  2. Eder, seu post ficou maravilhoso.
    E realmente é um assunto interessante e que sempre gera muita controvérsia.
    Adorei!

    1. Obrigado Silvia a sugestão foi do Leandro do blog Pro seu dia ficar melhor , muito bom elaborar essa publicação

  3. que ótimas informações trazem esse texto, pode ter certeza de que essa dúvida não era somente do Leandro

    1. Obrigado amigo, eu tinha muitas dúvidas também sobre o tema, podemos chegar a conclusão que é inofensivo, mas não dá pra abusar de nada hoje em dia

  4. […] Source: Porque os cientistas dizem que sinais Wi-Fi não vão dar câncer a suas crianças […]

  5. Valeu Eder. Pedi à pessoa certa. Show de informação, melhor do que a Revista Super Interessante. Abraço!

    1. Fico muito feliz em poder ajudar de alguma maneira, espero ter te tranquilizado um pouco.

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: