Parando a morte das células do cérebroCiência 

Porque as células do nosso cérebro morrem: Um avanço na luta contra as doenças neurodegenerativas

  • Todos os anos, mais de 795.000 pessoas nos Estados Unidos têm um acidente vascular cerebral.
  • Uma equipe de cientistas descobriu um mecanismo em cadeia comum que leva à morte das células cerebrais que envolve proteínas corroendo o DNA de uma célula.

Uma série de eventos infelizes

Um time de cientistas descobriu que, apesar de ter várias causas e sintomas, a maioria das doenças neurológicas compartilham o mesmo mecanismo que levam a morte das células do cérebro. O processo, nomeado parthanatos ocorre depois de uma enzima chamada PARP e o deus grego da morte, envolve as proteínas corroendo o DNA da célula.

Um núcleo de célula submetido a parthanatos.
Um núcleo submetido a parthanatos. Créditos: Yingfei Wang e I-Hsun Wu / Johns Hopkins Medicine

Usando células cultivadas em laboratório, o estudo completou a cadeia parthanatos. Estudos anteriores revelaram como uma proteína fator chamada  de indução de apoptose mitocondrial (AIF) está envolvido na repartição do genoma alojado no núcleo da célula. Quando ele deixa seu lugar habitual nas mitocôndrias, os pesquisadores acreditavam que próprio AIF não cortava o DNA.

Yingfei Wang, pesquisador pós-doutorado, em seguida, professor assistente na Universidade Southwestern Medical Center do Texas, testou 160 proteínas humanas e identificou uma chamada fator inibidor da migração de macrófagos (MIF) trabalhando lado a lado com a AIF.

“Descobrimos que a AIF se liga a MIF e a leva para o núcleo, onde a MIF é que corta o DNA. Nós pensamos que essa é a etapa final de execução em parthanatos”, diz o diretor do Instituto de Engenharia Celular da Faculdade de Medicina Ted Dawson, cujo trabalho anterior em conjunto com Valina Dawson, serviu como a fundação do estudo da Universidade Johns Hopkins.

Um tratamento melhor e uma potencial cura

“Eu não posso deixar de enfatizar que é uma importante forma de morte celular; ela desempenha um papel importante em quase todas as formas de lesão celular”, diz Dawson. No entanto, ele adverte que as habilidades de corte do DNA da MIF só foram ligados definitivamente ao acidente vascular cerebral. Ainda assim, ele está confiante que este é o rumo certo a seguir. “Nós estamos interessados em descobrir se a MIF também está envolvida na doença de Parkinson, doença de Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas”, diz ele.

Compreender o parthanatos abre completamente o desenvolvimento de drogas que inibem a MIF, destinadas a prevenir, enfraquecer, ou parar o processo. Os pesquisadores estão trabalhando continuamente no desenvolvimento de compostos químicos que podem bloquear a MIF em células cultivadas em laboratório.

Um relatório sobre este estudo pode ser encontrados na revista Science.

Fonte: Futurism

Publicações relacionadas

3 Thoughts to “Porque as células do nosso cérebro morrem: Um avanço na luta contra as doenças neurodegenerativas”

  1. […] Enquanto que a estrutura alterada que resulta do consumo excessivo de cafeina pode não ser tão prejudicial, outras drogas, como a dopamina sintética, pode ser. A maioria das pessoas que usa a levodopa por muitos anos começa a sentir um efeito colateral da droga chamado discinesia que torna difícil o controle do corpo. Para combater esse efeito colateral , existem drogas que também alteram a estrutura do seu cérebro, que eventualmente precisa de mais drogas para combater os efeitos danosos da droga anterior. Antes de avançar, os pacientes passam seus dias engolindo pílulas e a doença fica cada vez mais difícil de lidar com ela.Porque as células do nosso cérebro morrem: Um avanço na luta contra as doenças neurodegenerativa… […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: