Realidade Virtual 

Poderia a realidade virtual melhorar o engajamento cívico na política?

As eleições gerais de 2015 ainda mostram que uma grande parte dos cidadãos  britânicos optaram em não participar do processo decisório político, o problema maior com tal desengajamento é que os formuladores de política terão que superar. Mas que papel a tecnologia digital, em particular a realidade virtual, tem em promover um melhor nível de engajamento do cidadão na grã-Bretanha?

Abraham Lincoln foi um político norte-americano. 16° presidente dos Estados Unidos, posto que ocupou de 4 de março de 1861 até seu assassinato em 15 de abril de 1865
Abraham Lincoln foi um político norte-americano. 16° presidente dos Estados Unidos, posto que ocupou de 4 de março de 1861 até seu assassinato em 15 de abril de 1865

Como um ex-professor de política que se esforçou para dar aos meus alunos uma definição decente da democracia, muitas vezes eu me vi voltando-se para as palavras de Abraham Lincoln. Declarei a famosa frase, democracia, é “o governo do povo, pelo povo, para o povo”.

Com o surgimento de ferramentas e aplicativos baseados na web, muitos tiveram a esperanças que essa tecnologia talvez acrescentaria uma quarta preposição: E o governo com o povo. Em vez de marcar um papel de voto a cada quatro a cinco anos, a promessa de ferramentas digitais foi que poderia permitir que os políticos e os cidadãos terem um diálogo mais ativo, permanente e significativo. Até o momento,  lamentavelmente tal objetivo parece ter desaparecido.

Colocando o megafone

Políticos  usam a web com demasiada frequência em geral, os meios de comunicação social em particular, para transmitir mensagens pré-preparadas para o público como se estivessem empunhando uma espécie de megafone digital. A ideia de um diálogo bidirecional é mais fantasioso. No entanto, com demasiada frequência, os cidadãos fazem o mesmo. Qualquer um que já tenha trabalhado para uma campanha política está familiarizado com o fluxo interminável de cartões postais, que chegam a cada dia, pedindo (ou mais frequentemente exigindo) o apoio dos membros ou rejeitando uma lei ou medida específica.

Trabalhando no Parlamento 13 anos atrás, eu lembro de ter visto um conjunto de cartões postais que exigiam mais dinheiro para o NHS(Serviço Nacional de Saúde). “Quais deputados não iriam querer mais dinheiro para o NHS?” Eu me lembro de pensar. O debate não era sobre se o dinheiro era ou não mais desejável, é claro que todos nós gostaríamos de mais fundos para ajudar nossa causa escolhida. A pergunta era: se nós queríamos alocar mais dinheiro para o NHS, de onde ele viria? Deve ser alocado para escolas, transportes, ou da assistência social? Ou os impostos devem ser aumentados? Em caso afirmativo, quais?

Como os referendos da Califórnia nos ensinaram, se você perguntar ao público para expressar suas opiniões sobre questões individuais que irão exigir a sua ação, votando para impostos mais baixos ou maior gasto público. O problema com a maioria dos canais digitais é que eles exacerbam essa tendência.

O site do governo para petições digitais  incentiva as pessoas a expressarem apoio para questões individuais. Para muitos o Twitter tem muitos, tomando posição diferenciada, dúvidas ou argumentos em 140 caracteres é algo bem pensado. Uma grande variedade de outros sites de ação cívica incentivam as pessoas a inscrever-se para apoiar uma visão, de modo que uma mensagem pode ser transmitida aos deputados sobre aquele assunto.

Muitas dessas plataformas dão a impressão de que o exercício é de dar aos cidadãos mais poder e controle sobre seus representantes, sendo que os políticos supostamente seriam forçados a agir se eles receberam a mensagem alta o suficiente.

Acho que isso é ingênuo. Não podemos esperar que os deputados respondam significativamente se a voz dos constituintes não se envolvem na complexidade do debate político. A política é, afinal, a arte do compromisso. Então, como poderia ser feito melhor?

Me mostre como é o céu

Não foi muitas vezes que sugeri que a série animada South Park poderia oferecer muito insights sobre como o engajamento cívico na formulação de políticas poderia ser melhorada, mas há uma primeira vez para tudo.

O episódio em questão é chamado Best Friends Forever(Melhores Amigos Para Sempre) (episódio 4 da 9° temporada), no qual o Céu está sob o cerco de criaturas malignas de Satanás. Buscando um comandante para destruir os inimigos invasores, os líderes do Céu projetam um novo jogo para o PSP da Sony que simula a próxima batalha.

Eles mandam o aparelho para a terra, com a intenção de que quem dominasse o jogo e atinge o mais alto nível seria nomeado como comandante dos exércitos celestiais. O candidato passa a ser o malfadado da série Kenny McCormick, cuja morte prematura pode ser garantida com uma regularidade alarmante. Mas onde eu quero chegar com isso?

Imagine se, em vez de uma petição, um tweet, ou fórum, poderíamos usar a tecnologia para simular ambientes ou decisões, simular o processo para que o público pudesse modelar com precisão os resultados que surgiriam de uma decisão política ou outra.

Em seus esforços para levantar todas essas informações, imagine se o governo poderia procurar os indivíduos e organizações mais qualificados ou experientes em uma área particular para ver em que avançou mais progressivamente através de um jogo de decisão baseada em regras de realidade virtual.

E isso tudo não é um exagero. No Japão, os arquitetos lançaram modelos de realidade virtual de estações de trem on-line e pediram que os usuários tentassem navegá-los para mostrar onde ocorrem os bloqueios e onde há confusão na sinalização, antes de serem construídos.

Os pilotos, astronautas e pilotos de corrida passam meses em simuladores para afinar as suas técnicas. Accenture, EMC Corporation, GE Money e US Cellular todas tentaram recrutar candidatos reais através de seus avatares no Second Life.

Simuladores de cidade inteligentes permitem modelar diferentes opções de transporte, refinado e otimizado, dependendo da forma como é construída, as consequências podem ser boas ou ruins.

Com os “likes” do Facebook, Microsoft e Google,  investindo fortemente em realidade virtuais, oportunidades para se envolver em experiências virtuais imersivas estão crescendo o tempo todo. Tais modelos de realidade virtual também teriam vantagem em ver como as pessoas realmente se comportam, ao invés de dizer como elas se comportam (duas coisas muito diferentes, como qualquer pesquisador irá dizer).

Simulações poderiam ser criadas para todos os tipos de coisas, de decisões de planeamento complexos, a equilibrar os orçamentos futuros para as organizações hospitalares.

Focando cuidadosamente em simulações  para resolver problemas específicos seria mais provável obter vantagens para os melhores resultados. Em retorno para as pessoas que gastam seu tempo se envolvendo com esses jogos políticos, os representantes do povo teriam que levar sério o uso da informação e dos dados que fossem produzidos. Afinal de contas, uma comunicação eficaz exige saber que você está sendo ouvido.

Dando os primeiros passos

Desenrolando estas ideias em escala maior, ainda pode estar a alguns anos de distância. Até então, nós, pelo menos, precisamos trabalhar muito mais para desenvolver ferramentas que incentivem as pessoas a ficarem longe de pensar sobre questões de maneira isolada, e envolve-los nos compromissos rígidos de formulação de políticas. Devemos começar, como já afirmei antes, através da criação de um mercado de dados do governo.

Outros exemplos de baixa tecnologia que funcionam nessa linhas de raciocínio incluem o Park Challenge de Lambeth, que permite a qualquer pessoa ajudar a projetar o layout do novo espaço verde urbano (discutido por Katherine Drayson aqui). Ou ver como arquitetos e urbanistas profissionais estão vindo junto com mais de 10.000 jogadores e cidadãos locais interessados em projetar o futuro de Estocolmo usando Minecraft.

Movendo-se para esses modelos mais holísticos é importante porque a desilusão com a política real é abundante. O público está frustrado com as decisões que os políticos tomam. Mas eles também estão frustrados que os eleitores não se envolvem com os compromissos rígidos em que todas as decisões políticas dependem.

Centrando-se sobre questões individuais na ausência de um contexto mais amplo leva a uma má política, e incentiva os políticos a jogar seus jogos em um tom de superioridade que pode oferecer mais de X, Y ou Z. “O governo com o povo” pode ser um passo longe demais em uma democracia representativa. Mas com todos os incríveis avanços na tecnologia, devemos, pelo menos, têm por objectivo melhorar a conversa.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Essa é uma tradução livre feita por Lingery para o blog Suprimatec, do artigo de Eddie Copeland publicado no site Democratic Audit UK, para ver a publicação original em inglês, clique aqui: Could virtual reality improve civic engagement in policy making?

 

Perdeu alguma postagem sobre realidade virtual? Clique aqui

Publicações relacionadas

2 Thoughts to “Poderia a realidade virtual melhorar o engajamento cívico na política?”

  1. Matéria muito boa, um aumento no engajamento cívico na política é uma ótima maneira de tornar a “democracia” atual em algo mais democrático. Me lembro de ter visto recentemente em um comercial sobre o Dialoga Brasil, um site do governo onde os cidadãos enviam sugestões. Não sei qual alcance real ele terá, ou mesmo se será eficiente, mas a proposta é interessante, é um primeiro passo para uma futura digitalização/virtualização desse engajamento.

  2. […] Poderia Realidade Virtual Melhorar a participação cívica na elaboração de políticas? […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: