Tecnologia 

Poderemos estender radicalmente nossas vidas com as novas tecnologias

Quanto tempo você acha que vai viver? Provavelmente você já deve ter uma ideia, e sem dúvida, pode facilmente imaginar um limite máximo. Nós, seres humanos, tendemos a chegar aos 70, 80 ou 90. A pessoa mais velha registrada, Jeanne Calment, viveu até 122. Mas é isso? Nós viveremos vidas ainda mais longas?

Peter Diamandis, co-fundador e presidente executivo da Singularity University e fundador e presidente executivo da XPRIZE, acredita que a vida radicalmente prolongada não é de modo algum impossível. Graças ao avanço rápido da biotecnologia, ele acha que a vida humana pode crescer dramaticamente neste século.

“Quando eu estava na faculdade de medicina, estabeleci uma vida de 700 anos para mim, que é um número ridículo, porque se você pode viver tanto tempo você pode viver o tempo que quiser”, disse Diamandis a Mecânica Popular no Breakthrough Awards de 2013.

Numa sessão de perguntas e respostas na Cúpula Global da Singularity University, esta semana, Diamandis explicou o objetivo da escola médica em resposta a uma pergunta da platéia.

Ele disse que os seres humanos não são os animais mais longevos. Outras espécies têm uma vida útil de vários séculos. No ano passado, um estudo “datando” os tubarões da Gronelândia descobriu que eles podem viver cerca de 400 anos. Embora a técnica não seja perfeitamente precisa, eles estimaram que um tubarão teve cerca de 392 anos. Seu nascimento aproximado foi em 1624.

Diamandis disse que se perguntava: “Se esses animais podem viver séculos, por que eu não poderia?”

Existem algumas razões pelas quais morremos, segundo Diamandis. Centenas de milhares de anos atrás, os seres humanos iriam atingir a puberdade aos 13 anos, ter filhos e, em seguida, ajudar seus filhos a crescer. Com seus vinte e poucos anos, eles teriam netos. Em um mundo de recursos escassos, as gerações mais velhas e não-reprodutivas estavam competindo pela comida com seus netos, diminuindo a probabilidade de que passassem seus genes. A vida mais longa, portanto, não era uma característica biológica vantajosa.[O que acontece quando estamos prestes a morrer? Veja como sentimos a morte]

“E a outra coisa foi depois que você deu à luz, e os nascimentos mais antigos naquela época eram entre 20 e 30 anos, uma doença que mataria você depois dos 35 nunca foi pensada”, disse Diamandis. “E assim novamente nunca houve uma pressão seletiva para mantê-lo vivo mais tempo.”

Agora, a biologia moderna aprofundou nossa compreensão do processo de envelhecimento, e a biotecnologia está começando a aplicar esses aprendizados para detectar a doença mais cedo e até mesmo regenerar o corpo. Diamandis destacou duas áreas-chave que estão progredindo hoje. [Microsoft irá ‘resolver’ o câncer em 10 anos tratando-o como um vírus de computador]

Primeiro, ele acha que reabastecer a população de células-tronco do corpo é uma maneira de permanecermos mais saudáveis por mais tempo. As células-tronco são um mecanismo chave de reparo corporal. Porque eles ainda não se especializaram em um tipo de célula particular, como uma célula muscular ou célula sanguínea, eles podem se tornar qualquer coisa e substituir as células danificadas em todo o corpo. Temos lotes quando somos mais jovens, mas à medida que envelhecemos a oferta diminui, e as células restantes estão cada vez mais danificadas.

edicao-de-genes

Outra abordagem, que ele está perseguindo com a empresa de saúde que ele co-fundou, Human Longevity, é combinar um instantâneo abrangente da genética de uma pessoa com outras informações-chave de saúde para determinar seu perfil de risco para várias doenças.

“Nós iremos olhar para o seu genoma e todos os sistemas do seu corpo e identificar o que provavelmente pode matá-lo e encontrá-lo antes que ele o faça. Assim, parar de morrer é a primeira parte”, disse Diamandis. “E a segunda parte é reabastecer sua população de células-tronco para que você tenha um motor regenerativo restaurado ao longo de sua vida.”

Outro espectador perguntou se Diamandis espera viver séculos no mesmo corpo, em oposição ao upload de sua consciência para um computador como alguns futuristas têm sugerido que seja possível. [Nanorobôs irão plugar nosso cérebro na internet em 2030, e muito mais…]

“Honestamente, eu não penso nisso”, disse ele.

Ele está trabalhando com empresas que buscam nanotecnologias e sistemas que ligam o cérebro diretamente aos computadores (interfaces cérebro-máquina). O horizonte temporal dessas tecnologias é de 20 anos? 30 anos? Ele não tem certeza. Mas tecnologias que estão muito mais próximas hoje podem ser uma ponte para métodos e técnicas ainda mais avançadas. [Conheça as nanomáquinas que podem nos conduzir para uma revolução na medicina].

Adicionar mais 30 ou 40 anos de vida, quem sabe?

Fonte:Singularityhub

Compartilhe!

Publicações relacionadas

Leave a Reply

9 Thoughts to “Poderemos estender radicalmente nossas vidas com as novas tecnologias”

  1. Maravilhoso e interessante esse artigo amei !! Pena que ainda vai demorar anos pra chegarmos nesse nivél de longevidade de vida . Talvez eu nem exista qusndo acontecer 😞

    1. O importante é que veremos isso acontecer ainda em vida aguarde e confie!

  2. Talvez os tubarões vivam tanto em função do pouco contato com humanos

    1. pode ser, é por isso que vivo encontrando o argumento de que o ser humano irá queimar a casa onde mora em muitos artigos que leio, espero que um dia evoluiremos.

  3. […] De acordo com Wolpe, a busca pela imortalidade não passa de “uma espécie de fantasia narcisista”, parte de uma visão equivocada e maior de uma utopia ciência-tecnológica. Temos uma visão idealizada de como a tecnologia vai mudar o básico da natureza humana e da nossa sociedade para melhor, mas não há evidência disso, disse Wolpe. [Poderemos estender radicalmente nossas vidas com as novas tecnologias] […]

  4. […] Um avanço na biotecnologia, por exemplo, pode surgir de um desenvolvimento crucial na inteligência artificial. Um avanço na energia solar poderia surgir aplicando conceitos da nanotecnologia. Poderemos estender radicalmente nossas vidas com as novas tecnologias. […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: