Os segredos sobre o passado distante da TerraCuriosidades 

Os segredos sobre o passado distante da Terra em um continente

Em resumo: Pesquisadores passaram dois meses coletando amostras de uma massa subterrânea conhecida como Zealandia. Como resultado, poderíamos obter uma nova visão de tudo, desde formas de vida antigas até mudanças climáticas.

Sob o mar

Há dezenas de milhões de anos, uma massa terrestre que está sendo referida como Zealandia foi submersa em grande parte sob o Oceano Pacífico. Uma equipe de cientistas estabeleceu uma expedição subaquática usando uma embarcação de pesquisa avançada, e os resultados podem dar uma nova visão da pré-história da Terra.

Mais de trinta cientistas de doze países diferentes estiveram presentes na excursão de dois meses. Ao perfurar o fundo do oceano a cerca de 4.000 pés abaixo da superfície, eles conseguiram coletar 8.000 pés de núcleos de sedimentos que nos darão um vislumbre nos processos geológicos que ocorreram nos últimos 70 milhões de anos.

“Os núcleos atuaram como máquinas do tempo para nós, permitindo-nos chegar mais e mais atrás no tempo, primeiro vendo as antigas avalanches subaquáticas, em seguida, evidências de rochas forjadas de uma origem ardente”, escreveu Stephen Pekar, um dos cientistas que tomou parte do estudo, em uma postagem de blog. “Alguém poderia imaginar que em algum lugar perto de Zealandia existem montanhas que eructaram rochas ardentes e fumaça.”

Pensa-se que a Zelândia interrompeu a Austrália entre 60 e 85 milhões de anos, formando a Nova Zelândia e outras ilhas da região. No entanto, ainda há algum debate sobre se ele poderia ou não ser classificado como um continente por direito próprio.

Em fevereiro de 2017, o geólogo da Universidade Northwestern, Michael Scotese, disse à National Geographic que, enquanto era continental, não era um continente. Ele comparou seu relacionamento com a Austrália para o link entre a América do Norte e a Groenlândia, e África e Madagascar.

Descobrimento de um fóssil

Ao longo da expedição, mais de 8 mil fósseis foram encontrados, dando à equipe a oportunidade de estudar centenas de espécies diferentes. Saber mais sobre as criaturas que habitavam a Zelândia antes de ser submerso, permite aos cientistas adivinhar com conhecimento sobre como eram as condições.

“A descoberta de conchas microscópicas de organismos que viviam em mares mornos e superficiais e de esporos e pólen de plantas terrestres revelavam que a geografia e o clima da Zelândia eram dramaticamente diferentes no passado”, lê uma declaração de Gerald Dickens, que liderou o viagem.

Com base nos restos que foram encontrados, pensa-se que os animais terrestres vagavam pela Zelândia. A região teria servido como uma ponte que poderia ser usada para atravessar os continentes, de acordo com um relatório do The Guardian.

De volta a Zealândia

Espera-se que as descobertas desta expedição nos ajudem a compreender melhor como a vida se propaga através do Pacífico Sul, e oferecer uma nova perspectiva ao debate sobre se a Zelândia é ou não um continente. Apesar de a região ser conhecida pelos geólogos, este é o primeiro documento revisado pelos pares a analisá-lo em detalhes.

Os núcleos de sedimentos e os fósseis reunidos nessa viagem deram aos pesquisadores muito trabalho com agora que voltaram para casa, mas os organizadores da expedição já estão ansiosos para fazer seu retorno.

Há esperanças de que estudos adicionais possam produzir mais informações sobre mudanças climáticas, relacionadas à história do clima da Zelândia, há milhões de anos e hoje. Um navio equipado com equipamentos de perfuração está configurado para visitar regiões próximas de Nova Zelândia, Austrália e Antártica em 2018.

Fonte: Futurism
[Heateor-SC]

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: