Realidade Virtual 

Os médicos podem examinar seu coração com ajuda da realidade virtual

Não há muito tempo atrás, a única maneira de ver o que estava acontecendo dentro do corpo envolvia uma pessoa e alguma coisa muito afiada. Agora, podemos ter imagens dos órgãos do corpo com apenas uma única incisão.

No entanto, embora tenhamos feito grandes avanços na imagiologia médica, ainda está longe de ser perfeita. Um dos maiores desafios? Os pacientes são tridimensionais, mas as imagens médicas são planas; elas mostram cada fatia diferente da anatomia em questão. Isso faz com que ter uma compreensão volumétrica do que você está olhando seja fundamental quando se lida com a anatomia.

Para ter uma boa visão com o que estão lidando, os médicos precisam imaginar o órgão em 3D montando mentalmente todas essas imagens planas. Isto não é fácil, e alguns médicos são melhores nisso do que outros. Em suma, eles estão preocupados com um problema, um processo de visualização que está propenso a erros, desperdiça tempo e faz com que exista a fadiga entre os médicos, em vez de se concentrarem na resolução de um problema clínico, o seu trabalho principal e mais importante.

Imagine o planejamento cirúrgico, por exemplo. Hoje, radiologistas olham através de centenas e centenas de imagens planas, e, em seguida, desenham um diagrama (sim, à mão) para mostrar ao cirurgião como abordar um determinado procedimento. Em seguida, o cirurgião opera o paciente sem conhecimento prévio da sua anatomia volumétrica atual.

Um cirurgião resumiu perfeitamente: “Eu nunca abri um paciente e tive uma visão 2D” Outro cirurgião especializado em cirurgia guiada por imagem nos disse que “metade do tempo eu estou supondo” navegar na anatomia 3D usando imagens 2D.

Parece um pouco assustador, não? Mas não tema. Não será assim por muito tempo.

Há uma solução muito poderosa chegando agora, processamento avançado de imagem por meio de realidade virtual interativa. EchoPixel usa realidade virtual para ajudar os médicos a visualizar a anatomia única de cada paciente e estrutura interna em uma imagem 3D flutuante. O software utiliza dados DICOM, que já está incorporado cada, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou a imagem de ultra-som.

  • DICOM (Digital Imaging Communications in Medicice) é um programa que foi criado com a finalidade de se padronizar as imagens diagnósticas e, como Tomografias, Ressonâncias Magnéticas, Radiografias, Ultrassonografias, etc. O padrão DICOM é uma série de regras que permite que imagens médicas e informações associadas sejam trocadas entre equipamentos de imagem, computadores e hospitais. O padrão estabelece uma linguagem comum entre os equipamentos de marcas diferentes, que geralmente não são compatíveis, e entre equipamentos de imagem e computadores, estejam esses em hospitais, clínicas ou laboratórios. Fonte: virtual.epm.br

pulmão

Veja como funciona:

Você fica em uma estação de trabalho usando um par de óculos 3D. (O software funciona com qualquer dispositivo de hardware para realidade virtual, mas há atualmente uma parceria com a Zspace para a exibição.) Uma imagem 3D de um órgão flutua na sua frente, uma réplica exata do ccoração, cólon, ou cérebro do paciente. Usando uma caneta, você pode transformar, dissecar, dar um zoom, remover peças, basicamente manipular a imagem como quiser.

É o mais próximo que você pode conseguir em visualizar como interagir com a coisa real.

Na verdade, a imagem médica é um caso de uso início ideal para a realidade virtual, porque já existem esses conjuntos de dados de imagens volumétricas (ao contrário de entretenimento, por exemplo, onde os desenvolvedores terão que criar um novo conteúdo para rodar em dispositivos de RV). Se  o problema 3D for resolvido, em seguida, os médicos podem reorientar a sua energia e conhecimentos sobre diagnóstico e tratamento.

Existe uma grande oportunidade para este tipo de tecnologia de imagem para moldar a forma como os médicos trabalham.

colo particionadoPor exemplo, o procedimento de colonoscopia virtual está se tornando uma alternativa popular para a temida colonoscopia óptica (recomendado como um procedimento regular para as pessoas com mais de 50 anos de idade). Em vez de exigir sedação total e um dia inteiro de recuperação, o procedimento virtual permite ao médico examinar uma tomografia computadorizada do cólon para identificar quaisquer lesões potencialmente cancerígenas.

Mesmo assim, não é fácil para os médicos. Eles precisam percorrer centenas de imagens planas, tentando identificar as lesões cancerosas. Geralmente, leva 30-40 minutos, é mentalmente fatigante, e carrega um risco significativo de perder um crescimento perigoso.

Usando realidade virtual, por outro lado, o médico pode “voar através” de cada segmento do cólon no espaço 3D. A diferença é extraordinária. Um especialista da Universidade da Califórnia concluiu um procedimento em apenas 5-10 minutos usando a realidade virtual interativa.

E a capacidade de identificar corretamente lesões cancerosas é de quase 100%.

Em outro exemplo, um fabricante de um dispositivo cardíaco para fibrilação atrial entrou na jogada. Este dispositivo ajuda a evitar a formação de coágulos de sangue para a circulação sanguínea em certos pacientes com alto risco de acidentes vasculares cerebrais.

neuroO desafio aqui é determinar o tamanho correto para o dispositivo. Geralmente, isso requer várias iterações para implante do dispositivo dimensionados corretamente. O dimensionamento pode levar até 45 minutos, e ainda resulta na confecção de 2.7 dispositivos por implante com um custo de US $ 20.000 para cada implante com tamanho incorreto.

No entanto, usando uma imagem 3D precisa, tira muita ambiguidade no dimensionamento do dispositivo. Como resultado, os médicos foram consistentemente concluir o procedimento em apenas dois minutos! Mais uma vez, a realidade virtual está provando ser não apenas uma ajuda, mas uma mudança de jogo completa nas operações.

Este procedimento com realidade virtual está nos estágios iniciais, mas estão tendo resultados semelhantes em toda uma série de procedimentos que dependem de imagens médicas. Com a capacidade de entender melhor a anatomia do paciente, os médicos podem produzir melhores resultados para os pacientes em menos tempo, o que não só beneficia os próprios médicos, mas reduz significativamente os riscos para o paciente em questão.

E este é apenas o começo.

Imagine que os médicos e estudantes de medicina poderiam praticar cirurgia várias vezes em RV antes mesmo de pisar em uma sala de operação, seguindo um procedimento passo-a-passo do melhor especialista do mundo. Ou um paciente poderia levar um arquivo digital de sua anatomia, com anotações localizadas de diferentes especialistas que tinha visitado.

Em vez de falar uns aos outros com diagramas desenhados à mão, agora radiologistas e cirurgiões podem planejar uma operação em conjunto, utilizando uma imagem 3D, fazendo anotações digitais em estruturas-chave para operar. Este tipo de “gap” na comunicação é comum entre os profissionais de saúde, e vemos a tecnologia RV como uma ferramenta de comunicação também.

A maioria das pessoas concordam que a medicina digital é o futuro da saúde. Mas isso não significa apenas números em uma planilha. Achamos que a realidade virtual tem um enorme papel a desempenhar no setor de saúde, e está apenas começando.

  • Texto de Ron Schilling, PhD, é o CEO da EchoPixel. Dr. Schilling tem 35 anos de experiência em gerenciamento geral no dispositivo e tecnologia indústrias médica e operacional, da Toshiba, Diasonics e General Electric. Ele também ensina estratégia de negócios em Stanford e atua em diversos conselhos corporativos na área médica. Você pode saber mais sobre a Echopixel aqui. Tradução de Suprimatec. Fonte: http://singularityhub.com/

Veja mais sobre realidade virtual aqui

Facebook Comments
Compartilhe!

Publicações relacionadas

One Thought to “Os médicos podem examinar seu coração com ajuda da realidade virtual”

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: