Ciência 

O Sol destruirá a Terra mais cedo do que você imagina

qgg9qxTudo tem seu fim. Existem muitas maneiras que a Terra poderia morrer. Ela poderia colidir com outro planeta, ser engolida por um buraco negro, ou ser agredida até a morte por asteroides. Não há realmente nenhuma maneira de saber qual cenário apocalíptico será a causa da morte de nosso planeta.

Mas uma coisa é certa, mesmo que a Terra passa o resto de suas eras escapando de ataques alienígenas, esquivando-se de rochas espaciais, e evitando um apocalipse nuclear, chegará um dia em que nosso próprio Sol acabará nos destruindo.

Este processo não vai ser muito bonito, assim como ilustrado pela equipe de vídeo do Business Insider quando eles deram uma olhada no que vai acontecer com a Terra quando o Sol finalmente morrer em algum momento. Veja no vídeo abaixo

E, como Jillian Scudder, um astrofísico da Universidade de Sussex, explicou a Business Insider, em um e-mail, esse dia pode vir mais cedo do que pensamos.

A Terra sangrando até secar

O Sol sobrevive pela queima de átomos de hidrogênio em átomos de hélio em seu núcleo. Na verdade, ele queima por volta de 600 milhões de toneladas de hidrogênio a cada segundo.

E, como núcleo do Sol torna-se saturado com este hélio, ele encolhe, causando reações de fusão nuclear para acelerar, o que significa que o Sol expele mais energia.

Para cada bilhão de anos que se passa, o Sol se desgasta queimando hidrogênio, e ele fica cerca de 10 por cento mais brilhante.

E enquanto 10 por cento pode não parecer muito, essa diferença pode ser catastrófica para o nosso planeta.

“As previsões para o que exatamente vai acontecer com a Terra conforme a luminosidade do Sol aumenta ao longo dos próximos bilhões de anos são bastante incertas”, disse Scudder.

“Mas a essência geral é que o aumento do calor do sol fará com que mais água evapore para fora da superfície, ao invés de ser realizada na atmosfera. A água, em seguida, atua como um gás de efeito estufa, que retém mais calor, o que acelera o evaporação.”

Antes que ele fique sem hidrogênio, luz de alta energia do Sol vai bombardear nossa atmosfera e “dividir as moléculas permitindo que a água escape como hidrogênio e oxigênio, eventualmente sangrando a Terra até ficar seca sem nada de água, disse Scudder.

Terra seca
Kevin Gill/Business Insider

E não termina aí.

Um aumento de 10 por cento do brilho a cada bilhão de anos significa que 3,5 bilhões de anos a partir de hoje, o sol vai ficar quase 40 por cento mais brilhante, o que vai ferver os oceanos da Terra, derreter suas calotas de gelo, e tirar toda a umidade de sua atmosfera.

Nosso planeta, uma vez cheio de vida, irá tornar-se insuportavelmente quente, seco e estéril – como Vênus.

E conforme a batida constante dos tambores do tempo ecoarem para o fim da nossa existência, a situação vai ficar cada vez mais sombria.

O chocalho de morte do Sol

Todas as coisas boas, eventualmente, chegam a um fim. Cada livro tem um capítulo final, cada pizza tem uma última mordida, e cada pessoa tem um último suspiro.

E um dia, cerca de 4 ou 5 bilhões de anos a partir de agora, o Sol vai queimar através de seu último suspiro de hidrogênio e iniciar a queima de hélio em seu lugar.

“Uma vez que o hidrogênio pare de queimar no núcleo do Sol, deixa de ser considerada formalmente como a estrela principal e pode ser considerada uma gigante vermelha, disse Scudder.

“Ela irá então gastar cerca de um bilhão de anos se expandindo e queimando hélio no seu núcleo, com um escudo em torno dele que onde hidrogênio ainda é capaz de fundir em hélio.”

Sol explodindo

Conforme o Sol alcança suas camadas exteriores, a sua massa vai diminuindo, afrouxando sua influência gravitacional sobre todos os planetas. Então, todos os planetas que orbitam o Sol vão deslocando-se um pouco mais longe.

Quando o Sol se tornar uma gigante vermelha por completo, Scudder disse, o seu núcleo vai ficar extremamente quente e denso, enquanto sua camada exterior se expande … muito.

A sua atmosfera vai esticar até a órbita atual de Marte, engolindo Mercúrio e Vênus.

Embora a atmosfera do Sol chegando até a órbita de Marte, o planeta vai escapar, porque conforme a expansão do Sol, ele vai se desviando.

Terra, por outro lado, tem duas opções: fugir da expansão do sol ou ser consumido por ele. Mas, mesmo que o nosso planeta deslize para fora do alcance do Sol, as temperaturas intensas irá agravá-lo a uma batata frita, triste e morta.

“Em ambos os casos, o nosso planeta vai estar muito perto da superfície da gigante vermelha, o que não é bom para a vida”, disse Scudder.

image
Kevin Gill

Embora mais estrelas de grande massa podem começar uma camada de fusão de elementos mais pesados quando o hélio se esgota, o Sol estaria muito fraco para gerar a pressão necessária para iniciar essa camada de fusão, Scudder explicou.

Então, quando o hélio do Sol seca, é a hora onde tudo vai por água abaixo.

De gigante vermelha a anã branca

Uma vez que o Sol esvaziar as suas reservas de combustível, torna-se instável e começar a pulsação. A cada pulso, o Sol livrar-se de camadas de sua atmosfera exterior até tudo o que resta é um núcleo frio, pesado, rodeado por uma nebulosa planetária.

estrela
X-ray: NASA/CXC/RIT/J.Kastner et al.; Optical: NASA/STScI

A cada dia que se passa este núcleo, conhecido como anã branca, vai esfriar e desaparecer irremediavelmente deixara de existir como se ele nunca hospedou o planeta mais animado já descoberto na tela arrebatadora do Universo.

Mas quem sabe. Talvez os alienígenas cheguem até nós antes disso.

Este artigo foi originalmente publicado pela Business Insider. Fonte: Science Alert

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: