Curiosidades 

O seu medo da morte é normal ou exagerado?

maxresdefault

Se a morte é o tabu final, talvez ela não esteja tão longe. De alguns anos até hoje, existe um crescente esforço em promover conversas sobre morrer e morte, no meio público e nas casas das pessoas. Por exemplo, os cafés da morte, lançados primeiramente na Suíça, se espalharam pelo mundo, permitindo que as pessoas conversassem sobre seus medos tomando café e comendo bolo.

Nossa relutância em falar sobre a morte é muitas vezes tomada como prova de que estamos com medo, e, portanto, suprimimos os pensamentos sobre esse assunto. No entanto, há pouca evidência direta para sustentar que realmente estamos com medo. Então, qual seria uma quantida “normal” de angústia da morte? E como ela se manifesta?

A julgar pelos estudos utilizando questionários, parece ficamos mais preocupado com a perspectiva de perder nossos entes queridos do que a morte de nós mesmos. Esses estudos também mostram que a preocupação sobre o processo da morte, a dor e solidão envolvidas, por exemplo, do que sobre o fim da própria vida. Em geral, quando nos perguntam se estamos com medo de morrer, a maioria nega, e expressa apenas níveis leves de ansiedade.

A minoria que relata altos níveis de ansiedade sobre a morte é ainda considerada psicologicamente anormal, ela é considerada tanatofobica (medo da morte), neste caso, é recomendado tratamento.

Por outro lado, a nossa tendência em relatar apenas os baixos níveis de ansiedade da morte pode ser um resultado de nossa relutância em admitir o nosso medo, para os outros e nós mesmos. Com base nesta hipótese, os psicólogos sociais têm, por quase 30 anos, analisado os efeitos sociais e psicológicos de ser confrontado com a nossa própria mortalidade. Em mais de 200 experimentos, os indivíduos foram instruídos a imaginar-se morrendo.

O primeiro estudo deste tipo foi realizado com juízes em tribunais municipais nos EUA, que foram convidados a definir uma fiança para uma suposta prostituta em um cenário hipotético. Em média, os juízes que foram confrontados com a sua mortalidade previamente definiram uma fiança muito maior do que aqueles que não foram confrontados, US$ 455, contra US $ 50. Desde então, muitos outros efeitos foram encontrados entre os grupos, incluindo a população em geral em muitos países diferentes.

Além de tornar-nos mais punitivos, pensar na morte também aumenta o nosso viés nacionalista, nos torna mais preconceituosos contra outros grupos raciais, religiosos e idade, e leva a outras atitudes paroquiais. Analisados em conjunto, estas dezenas de estudos mostram que ser lembrado da morte fortalece nossos laços com os grupos que pertencemos, em detrimento daqueles que são diferentes de nós.

cemitério

Lembretes de morte também afetam nossas crenças políticas e religiosas de maneiras interessantes. Por um lado, ela nos polariza: políticos liberais se tornam mais liberais enquanto os conservadores se tornar mais conservadores. Da mesma forma, as pessoas religiosas tendem a afirmar suas crenças com mais fervor, enquanto as pessoas não religiosas negar ainda mais.

Por outro lado, esses estudos também descobriram que ao pensarmos na morte todos nós ficamos tentados, religiosamente ou não, no sentido de crença mais religiosa em formas sutis, talvez inconscientes. E quando o lembrete da morte é suficientemente poderoso e quando os participantes não estão conscientes dos seus compromissos políticos anteriores, os liberais, bem como os conservadores tendem a endossar ideias e candidatos conservadores. Alguns pesquisadores afirmam que isso poderia explicar a mudança política dos EUA para a direita após os atentados de 9/11.

Mas o que significam estes resultados?

Mas por que a perspectiva da morte nos tornar mais punitivos, conservadores e religiosos? De acordo com muitos teóricos, lembretes de morte obrigam-nos a buscar a imortalidade. Muitas religiões oferecem a imortalidade literal, mas as nossas filiações seculares, como nossa nação e grupos étnicos, podem proporcionar a imortalidade simbólica. Estes grupos e suas tradições são uma parte de quem nós somos, e eles nos fazem sobreviver.

Defendendo nossas normas culturais podem impulsionar o nosso sentido de pertença e de sermos mais punitivos contra as pessoas que violam tais normas, como as prostitutas, por exemplo, elas são o sintoma deste.

Consistente com esta interpretação, os pesquisadores também descobriram que os lembretes de morte aumentam o nosso desejo de fama e para termos filhos, sendo que ambos são comumente associados com a imortalidade simbólica. Acontece que nós queremos ser imortalizados através do nosso trabalho e do nosso DNA.

Fotografada mulher famosa
Pensando sobre a morte nos faz sonharmos em ser famosos. Foto: Andrea Raffin

Quando perguntados, não parece, talvez nem mesmo para nós mesmos, temer a morte. Nem supormos que o pensamento sobre a morte tem tais efeitos generalizados sobre nossas atitudes sociais. Mas há limites para os nossos poderes introspectivos. Nós somos notoriamente ruins em prever como vamos sentir ou comportar-se em algum cenário futuro, e nós somos igualmente ruins em trabalhar fora porque sentimos a forma como fazemos, ou até mesmo por que se comportamos de determinada maneira.

Então, quer percebamos ou não, parece que trazer a morte para a superfície da nossa mente é abrir a caixa de Pandora.

Então o que devemos fazer com estes novos esforços para desmistificar a morte e o ato de morrer através de conversa? É difícil dizer. Aumentar o perfil de morte em nossa imaginação, seja ela particular ou pública, pode deixar-nos mais punitivos e preconceituosos, como a pesquisa concluiu. Mas então talvez nós obtenhamos esses efeitos negativos precisamente porque não estamos acostumados a pensar e falar sobre a morte.

Na terapia de exposição, expondo cuidadosamente os pacientes com a fonte de sua ansiedade, um objeto, um animal, ou até mesmo uma memória, reduz o medo. Da mesma forma, talvez essa tendência mais recente de quebra de tabu vai inocular-nos psicologicamente, e nos tornar mais robustos em face da morte.

Publicações relacionadas

13 Thoughts to “O seu medo da morte é normal ou exagerado?”

  1. Adorei, mas apesar de tudo eu ainda continuo não temendo a morte. Louca! Abs

    1. Acredito que tenho tanatofobia, mas de leve hehehhe grande abraço querida!

  2. Medo escorre entre os meus dedos, entre os meus dedos. E eu Lambo os dedos, e saboreio meu próprio medo.

  3. Ótima discussão, e a associação entre pensar na morte e querer ser mais famoso e/ou ter filhos foi na mosca. Independente disso, acho que qualquer preocupação que se tenha passa muito pela questão de ressignificar essa experiência. É bem sabido que algumas sociedades indígenas têm uma relação muito diferente com a morte e o luto.

    Por sinal, um blog muito bacana que trata essas questões de forma bem embasada é o Perdas & Luto, da Nazaré Jacobucci: http://perdaseluto.com/

    1. Muito bom Henri, fico muito feliz com sua colaboração sempre! Obrigado pela indicação de blog!

    2. Obrigada Henri por recomendar o meu blog! Abs, Nazaré Jacobucci

      1. de nada! grande abraço!

  4. Sabe meu caro Eder por que tememos tanto a morte? Porque não nos apropriamos das escolhas que fazemos na vida. Estamos sempre ansiosos por vivenciar o futuro e nos esquecemos de vivenciar o presente e de nos deslumbrarmos com os pequenos prazeres da vida. Pensar na morte é se dar conta que talvez não tenhamos tempo de fazermos tudo o que planejamos fazer, pois muitas vezes, ficamos apenas no planejamento. Quando nos apoderamos de nossas escolhas a nossa existência humana fica mais leve e a morte é tão simplesmente o ponto final do último capítulo da nossa biografia. Abs, Nazaré Jacobucci

    1. É verdade Nazaré, eu vivo isso todos os dias na companhia das pessoas que estão no meu círculo de convivência e é difícil ouvir palavras de aceitação do futuro certo que é a morte, mas aos poucos amadurecemos e aceitamos mais! Grande abraço e fico feliz com sua participação!

  5. Não tenho medo da morte !

    1. Você é uma pessoa rara, a maioria das pessoas não gosta de tocar no assunto, simplesmente porque estão apegadas demais ao material, infelizmente! Um grande abraço!

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: