Segurança 

O futuro do crime: Rastreamento de smartphones, neurohacking, e assassinato com auxílio de Inteligência Artificial

MatrixBluePillRedPill

O mundo que Marc Goodman descreve em detalhes exaustivos no seu livro, Crimes do Futuro, conta o quanto poderá ser real, corajoso, e assustador a vida fora da Matrix. Na verdade, Goodman abre seu livro, citando o clássico de ficção científica. “Você quer a pílula vermelha ou a pílula azul? Lembre-se, tudo o que eu estou oferecendo é a verdade.” E ele saberia.

Goodman, que começou sua carreira como um policial no Departamento de Polícia de Los Angeles, trabalhou com o FBI, Serviço Secreto dos EUA, a Interpol, a polícia e em mais de 70 países. Ele é uma autoridade em matéria do dimensionamento exponencial da cibercriminalidade de hoje e um teórico de crimes futuros digno dos melhores filmes de ficção, mas, na verdade, essa realidade está à espreita ao virar da esquina.

Você pode não se lembrar de cada detalhe do livro, pois ele está carregado de pormenores e possibilidades, mas poderá adquirir uma melhor compreensão dos desafios que enfrentam aqueles que se engajam na “alucinação consensual” que é o ciberespaço moderno. E esse é realmente o ponto abordado.

O problema central que Goodman descreve, é que tudo com uma conexão é hackeavel, não insolúvel. Só precisamos acordar e agir. Isso significa que precisamos exigir que as empresas fabricantes de software façam melhor, um software à prova de bala, protegendo nossas próprias contas, e desenvolver novas tecnologias já com a segurança em mente.

O co-fundador da Wired e autor do livro “What Technology Wants“, ou em português “O que a Tecnologia quer”, Kevin Kelly, disse sobre o livro, “Oh meu Deus, isto é um alerta para acordarmos. Os bandidos estão correndo mais rápido do que os arquitetos… Eu sou tecnologicamente otimista, mas agora sou otimista com um olho bem aberto.”

cyber securityO site Singularity Hub teve a oportunidade de conversar com Goodman recentemente. Foi uma conversa que proporcionou uma abertura grande sobre o tema. Continue lendo esse artigo para aprender mais sobre como a Internet das Coisas pode ser hackeada, como a Inteligência Artificial pode ser usada como cúmplice de assassinato, e como as startups podem dizer o que você está assistindo na televisão apenas pelas flutuações elétricas em seu medidor inteligente.

(Para saber mais sobre o estado geral da segurança cibernética, recomendamos artigo recente de Goodman, “Precisamos de um Projeto Manhattan para Segurança Cibernética.” E mantenha-se atento para a parte dois da entrevista na próxima semana!)

Como os ciber-assaltos crescem exponencialmente e dezenas de milhões de cartões de crédito estão comprometidos, poderia uma criptomoeda, como o Bitcoin, fornecer uma maneira melhor de transações on-line? Ou será que ele é, na rede, melhor do que os métodos atuais?

As cryptocurrencies (moedas criptografadas) são melhores ou piores do que cartões de crédito? Talvez sim, talvez não.

Atualmente, seu cartão de crédito está protegido sob a lei federal, portanto, se você sofre uma perda, você não vai ser responsabilizado. A maior relatado de roubo de Bitcoins, até hoje, foi um ataque à casa de câmbio Mt Gox em Tóquio, onde os investidores perderam mais de US$ 460 milhões, e que o dinheiro pode não ser recuperado ou pagos de volta.

Então, cryptocurrencies podem ser úteis do ponto de vista da privacidade e, teoricamente, poderiam ser mais bem protegidos em uma perspectiva de segurança. Mas, se mal aplicada, como vimos com Mt Gox, não é só eles que podem ser hackeados, mas não há nenhuma regulamentação neste momento para protegê-lo de tal forma que você receba seu dinheiro de volta.

Dispositivos hackeaveis estão prontos para ultrapassar os computadores no mundo real com a Internet das Coisas, robôs, drones, carros sem motoristas. Imagine um mundo superconectado de amanhã se tornando um caos. Que novos perigos surgirão?

Crescimento da internet
Conectividade com a Internet deverá crescer exponencialmente nos próximos anos.

Se a internet de hoje fosse do tamanho de uma bola de golfe, amanhã ela será do tamanho do Sol. Nós não precisamos de muito mais conectividade para os computadores ou smartphones apenas, mas sim para os bilhões de dispositivos da Internet das Coisas que se conectam diariamente.

Como a nossa área da superfície ameaçadora (o número de dispositivos em torno de nós) cresce haverá mais maneiras de nos alcançar e nos tocar para o bem e para o mal.

Vinte anos atrás, ninguém se preocupava com seu carro se ele fosse sabotado. Hoje, um carro típico usa mais de 250 microchips que podem ser hackeados remotamente. Alguém pode ativar remotamente o airbag ou pisar no freio com você dirigindo pela rodovia.

A Internet das Coisas vai incluir também uma infra-estrutura mais crítica, podemos citar a rede elétrica e a casa-inteligente, até mesmo dispositivos médicos. Sem precauções, tudo isso estará aberto para o ataque, talvez com consequências catastróficas.

Também haverá implicações de privacidade significativas. Hoje, o seu celular faz com que você seja rastreado. Ele conhece todas as pessoas que você sai, e nós podemos fazer inferências sobre suas conexões e proximidade com essas pessoas com base unicamente na geolocalização do telefone. Nós vamos ver ainda mais disso no futuro.

Os medidores inteligentes, por exemplo, estão sendo agora instalados em todo o mundo. Cada dispositivo que você conecta em um soquete elétrico tem a sua própria assinatura. Quando você ligar o seu televisor Samsung ou liquidificador Hamilton, na tomada, é possível saber o que está sendo conectado a ela.

Há empresa startups  que estão olhando para as flutuações no uso de energia para deduzir quais pixels estão destacadas em sua televisão, e sabendo quais os pixels estão em destaque na TV, eles podem fazer engenharia reversa, com base na eletricidade que você usa, quais programas de televisão você está assistindo.

Elon Musk, Stephen Hawking, e Bill Gates têm expressado preocupação sobre a inteligência artificial geral. É um tema muito debatido. Seria ela a nossa “invenção final?” A IA nas mãos erradas pode ser problemático.

Gostaria de acrescentar Marc Goodman a essa lista. Para deixar claro, acredito que a IA fraca, e os agentes em torno de nós têm uma tremenda oportunidade de serem extremamente úteis. Estamos usando inteligência artificial todos os dias, seja em nossos dispositivos GPS, em nossas recomendações do Netflix, o que vemos em nossas atualizações de status no Facebook, tudo isso é controlado através de IA.

Agora, no que diz respeita à IA forte, eu me coloco firmemente no campo de preocupação.

  • Existem três níveis de Inteligência Artificial que serão explicados em uma postagem especial nas próxima semanas, continuem acompanhando o blog e fiquem ligados! Você que está lendo esse pedacinho no meio da postagem é muito importante!
A inteligência artificial
A inteligência artificial poderá ser nossa última invenção?

Historicamente, qualquer que seja a ferramenta, as pessoas têm tentado usá-la para seu próprio beneficio. Claro que, tipicamente, isto não significa que a ferramenta em si é má. O fogo, por exemplo, não era algo ruim. Poder cozinhar as suas refeições e mantê-las quentes durante a noite não deixou de ser uma conquista para o homem. Tudo se resume à forma como a usamos. Mas a IA é diferente. O desafio com ela é que uma vez criada, ela pode ficar fora de controle inteiramente, e certamente poderia se tornar a nossa “invenção final.”

Eu também vou salientar que existem preocupações a respeito da IA fraca também.

Temos visto exemplos de criminosos utilizando a IA fraca em alguns aspectos fascinantes. Em um caso, um estudante da Universidade da Flórida foi acusado de matar seu colega de quarto da faculdade por se encontrar com sua namorada. Agora, este calouro de 18 anos tinha um enigma. O que ele iria fazer com o corpo morto do colega? Bem, ele nunca tinha assassinado ninguém antes, e não tinha ideia de como eliminar corpo. Então, ele perguntou ao Siri, um aplicativo para iOS. Sabe qual a resposta que o Siri retornou? Mina, pântano, e campo aberto, entre outros. O que seriam sugestões de onde eliminar o cadáver.

Então, o Siri respondeu sua pergunta. Este garoto de 18 anos de idade, sem saber, usou a AI fraca como cúmplice após o fato homicídio. Vamos ver muitos mais exemplos deste movimento daqui para frente. No livro, eu digo que estamos deixando o mundo de Bonnie e Clyde e ingressar no mundo do Siri e Clyde.

Com base no desenvolvimento da digitalização do cérebro com a ressonância magnética funcional de hoje, podemos falar sobre leitura da mente e neurohacking. Qual é o criminoso ou crime do futuro mais estranho que você pode imaginar? E qual o mais assustador?

  • Segundo o site Wikipédia em inglês, neurohacking seria estritamente falando, qualquer método de manipular ou interferir com a estrutura e/ou função dos neurônios para a melhoria ou reparação da saúde mental.

Acho que sequestrando as memórias das pessoas na procura de um pagamento de extorsão seria um crime bastante horrível. Claro, tudo isso é teoria agora. Nós não temos a capacidade de fazer isso. Mas eu  acredito absolutamente que será o próximo passo.

Um estudo, por exemplo, ligado a um eletroencefalograma da cabeça de uma pessoa, lhes mostrou uma padrão de pin de um caixa eletrônico, e foi feita a seguinte pergunta: “Qual é o seu número de pin?” Com um grau de 30% de precisão, sem que a pessoa falasse uma palavra, estes pesquisadores foram capazes de identificar o número pin de uma pessoa. Apenas lendo suas ondas cerebrais.

Eu acho que nós vamos ver mais do que isso, o que poderia levar a todos os tipos de problemas. Esqueça memorizar senhas, pois alguém poderia simplesmente puxar os dados em uma varredura do seu cérebro.

prender as memórias
Os criminosos poderão um dia prender as memórias da vítima para um resgate no futuro?

Os militares também está trabalhando para ajudar os veteranos a lidar melhor com trauma e estresse pós-traumático. Eles descobriram que certos produtos farmacêuticos neurológico podem isolar a memória traumática de alguém e atenuá-la.

E isso está acontecendo agora.

Então, se já podemos apagar memórias traumáticas, que outras memórias poderemos ser capazes de apagar no futuro? Uma vez que o crime organizado descobre como fazer isso, eu poderia ver um cenário horrível em que alguém é sequestrado e ameaçado, a menos que eles pagam uma quantia exorbitante, as suas memórias ao longo da vida de sua esposa ou filha seria apagada.

Estamos muito longe disso, mas desde que estamos olhando para o futuro, é algo que deveríamos ficar preocupados.

  • Future Crimes_9.15Crimes Futuros: Tudo está conectado, todo mundo está vulnerável e o que podemos fazer sobre isso? por Marc Goodman
  • Essa é uma tradução livre feita por Suprimatec do artigo publicado no site Singularity Hub escrito por Jason Dorrier.

 

Facebook Comments
Compartilhe!

Publicações relacionadas

6 Thoughts to “O futuro do crime: Rastreamento de smartphones, neurohacking, e assassinato com auxílio de Inteligência Artificial”

  1. Texto super interessante… O que você acha nobre amigo???

    Eu sou meio da “Velha Guarda” sou a favor da tecnologia, mas com algumas restrições… Acho que hoje a humanidade anda “presa” e dependente dos smartphones e outros aparelhos… Além de “apps” que fazem de tudo… Tenho visto que estamos deixando de viver o mundo “real” e estamos viciados no mundo virtual…. Enfim… Apenas minha opinião…. Abraços.

    1. Eu sou assim como você, amo tecnologia, mas não sou viciado nela, sou apenas um curioso que gosta de saber onde estou pisando, e essa é uma de minhas intenções aqui no blog, orientar e avisar sobre ela. Quem é viciado nela, já está preso na teia, e quanto mais no centro dessa teia mais perto da boca da aranha. Talvez esse futuro descrito na postagem venha acontecer mesmo, porque estamos caminhando para isso, pelo que pesquiso percebo que não há mais volta. É uma questão de tempo mesmo. Talvez não estejamos vivos para ver tudo isso, mas as pessoas não percebem que é o vício que alimenta a “aranha”. Muito obrigado por partilhar sua opinião meu amigo!

  2. Eu amo tecnologia e coisas que fazem bip bip. Mas que é assustador, é. Talvez compre um gol. Ninguém vai pisar no freio por mim.

    1. hahahaha, Mariel, acredito que não estaremos vivos para ver toda essa evolução, eu acho! Mas é de assustar sim, as vezes penso que todas essas teorias é de quem viaja demais em ficção científica, mas quando vejo um estudo sendo publicado daqueles que é tirado da ficção, ai sim me dá arrepios! Um grande abraço Mariel e feliz natal pra vc e sua família!

  3. […] última postagem, foi publicado a primeira parte de uma entrevista com Marc Goodman, autor do livro Crimes do Futuro. Naquele primeiro vislumbre do […]

  4. […] a chegada da Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Dispositivos Vestíveis, crimes como um assassinato comandado por IA, ou um homem acusado por causa de sua mão biônica, podem se tornar comuns em um futuro não tão […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: