Ciência 

Nova vacina para o HIV começa ser estudada na Africa do Sul

Uma nova vacina contra o HIV está sendo testada na África do Sul em um estudo que pretende envolver vários milhares de pessoas, autoridades anunciaram hoje 29/11/2016.

O estudo é o primeiro em sete anos para testar a eficácia de uma vacina contra o HIV, disse o National Institutes of Health (NIH), que está financiando o estudo.

hiv-virus

“Se implantado ao lado de nosso arsenal atual das ferramentas comprovadas da prevenção do HIV, uma vacina segura e eficaz poderia ser o último prego no caixão para o HIV,” o Dr. Anthony Fauci, diretor do instituto nacional do NIH de alergia e de doenças infecciosas, afirmou. “Mesmo uma vacina moderadamente eficaz iria diminuir significativamente a carga da doença HIV ao longo do tempo em países e populações com altas taxas de infecção pelo HIV.”

Na África do Sul, mais de 1.000 pessoas contraem HIV por dia, disse o NIH.

A última vacina que mostrou uma promessa contra o HIV foi testada na Tailândia a partir de 2003. Em 2009, os pesquisadores do estudo anunciaram que a vacina era 31 por cento eficaz na prevenção da infecção pelo HIV por cerca de 3,5 anos. Em outras palavras, a taxa de infecção foi de 31 por cento inferior no grupo que recebeu a vacina, em comparação com o grupo que recebeu um placebo.

O novo estudo sul-africano usará uma vacina contra o HIV semelhante à usada no estudo tailandês, mas que foi modificada para proporcionar proteção maior e mais duradoura, disseram os pesquisadores.

Os pesquisadores querem inscrever 5.400 homens e mulheres sexualmente ativos de 18 a 35 anos que não têm HIV, e os resultados são esperados em 2020, disse o NIH.

“O HIV teve um número devastador na África do Sul, mas agora começamos uma exploração científica que poderia ser uma grande promessa para o nosso país”, disse a pesquisadora Glenda Gray, presidente-executiva do Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul.

No estudo tailandês, os pesquisadores usaram duas vacinas: uma chamada ALVAC-HIV, que consistia em um vírus de aves que tinha sido modificado para conter três genes de HIV, e outra vacina chamada subunidade de proteína, que continha uma versão geneticamente modificada de uma proteína Encontrado na superfície do HIV.

O estudo sul-africano usará essas duas vacinas, mas com algumas mudanças importantes. Ambas as vacinas no novo estudo foram modificadas para proteger contra um subtipo do vírus conhecido como HIV subtipo C, que é encontrado em números especialmente elevados na África do Sul. Além disso, a vacina de subunidade de proteína utilizada no novo estudo conterá um adjuvante diferente (um ingrediente adicionado a uma vacina para aumentar os seus efeitos) do que o utilizado no estudo tailandês. E o estudo sul-africano incluirá um reforço após um ano, com a esperança de prolongar o efeito protetor, disseram os pesquisadores.

Os participantes no novo estudo serão designados aleatoriamente para receber as vacinas do estudo ou um placebo. Se algum dos participantes se infectar com o HIV, eles serão encaminhados à equipe médica local para atendimento e serão aconselhados sobre como reduzir o risco de transmissão do HIV, disse o NIH.

A Sanofi Pasteur fornecerá a vacina ALVAC-HIV, e a GlaxoSmithKline fornecerá a vacina da subunidade da proteína.

Fonte: Live Science

Facebook Comments
Compartilhe!

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: