Ciência Curiosidades 

NASA encontra um dos maiores e antigos buracos negros já vistos

A NASA capturou um intenso sinal de raios gama vindos de um antigo grupo de galáxias. Os raios gama estão sendo emitidos por objetos chamados de blazars, que rodeiam um dos maiores e mais poderosos buraco negro já encontrado.

A descoberta pode mudar nosso entendimento sobre como os buracos negros estavam unidos no inicio do nosso Universo, simplesmente porque estes sinais estão vindo de galáxias que se formaram apenas a 1.4 bilhões de anos, um décimo de sua idade atual. Novo tipo de buraco negro vislumbrado no início do universo.

Esses sinais de raios gama podem ter se originado 1,4 bilhões de anos depois do Big Bang, mas agora estão chegando aos nossos telescópios, permitindo-nos finalmente olhar no tempo e entender mais sobre os enormes blazars antigos e seus buracos negros associados. Os blazares existem no núcleo de galáxias elípticas gigantes muito ativas, que contêm buracos negros supermassivos com 1 milhão ou mais vezes a massa de nosso Sol.

À medida que o material cai nesses buracos negros, eles emitem jatos de energia altamente poderosos, que se movem perto da velocidade da luz. Quando esses jatos de energia são apontados para a Terra, eles podem nos dar uma visão dos buracos negros que os formaram, e o fato de que esses blazars recém-descobertos vêm de tão longe significa que agora podemos estudar alguns dos buracos negros mais antigos já encontrados. Buraco negro na Via Láctea pode estar expelindo raios cósmicos.

“Apesar de sua juventude, estes blazars hospedam alguns dos buracos negros os mais maciços conhecidos,” diz o astrónomo Roopesh Ojha do Centro do Voo Espacial Goddard da NASA. “Que eles se desenvolveram tão cedo na história cósmica desafia as idéias atuais de como os buracos negros supermassivos formam e crescem, e queremos encontrar mais desses objetos para nos ajudar a entender melhor o processo”.

A energia blazar recebida foi captada pelo Telescópio Espacial de Raios-Gama Fermi da NASA e vem de cinco galáxias que se formaram quando o Universo tinha apenas 1,4 bilhões de anos. Embora os raios gama não possam ser vistos a olho nu, eles estão fluindo em grandes quantidades através do Universo o tempo todo.

Não temos certeza exatamente de onde vem toda essa informação de raios gama, mas as galáxias blazar são uma das poucas fontes conhecidas que identificamos. 10 fatos científicos sobre os buracos negros que você precisa saber.

Blazars aparecem particularmente brilhante para nossos instrumentos científicos, porque seus jatos de energia luminosa são apontados diretamente para o nosso planeta. Mas até agora, a luz mais antiga que tínhamos visto era de um blazar datado de 2,1 bilhões de anos após a formação do Universo.

Recentes aprimoramentos de precisão na forma como os dados de satélites e telescópios são analisados significou que podemos olhar mais profundamente para o espaço do que nunca, detectando galáxias ainda mais antigas, como o conjunto que o Telescópio Espacial de Fermi agora tem sobrecarregado.

E não só os buracos negros no coração desses cinco novos blazars se formam quando o Universo era muito jovem – eles são incrivelmente poderosos também, cada um bombeando mais de 2 trilhões de vezes a produção de energia do nosso Sol.

“A questão principal agora é como esses grandes buracos negros poderiam ter se formado em um universo tão jovem”, diz outro da equipe, Dario Gasparrini do Centro de Dados da Ciência da Agência Espacial Italiana. “Não sabemos quais mecanismos desencadearam seu rápido desenvolvimento”.

Tentando entender esses mecanismos é uma das próximas etapas que os pesquisadores poderiam tomar, mas os cientistas da NASA também querem procurar outros blazars semelhantes a estes para obter uma ampla gama de dados sobre como eles são colocados juntos.

Marco Junello, da Universidade de Clemson, na Carolina do Sul, diz: “Achamos que Fermi detectou apenas a ponta do iceberg, os primeiros exemplos de uma população de galáxias que antes não havia sido detectada em raios gama”.

Os resultados estão em processo de revisão, tendo sido apresentado à American Physical Society e submetido ao Astrophysical Journal Letters.

Fonte: ScienceAlert

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: