Inteligência Artificial prevê a morte para nos ajudar viver mais

Não vá gentilmente nessa boa noite,
A velhice deve queimar e delirar ao fim do dia;
Raiva, raiva contra a morte da luz.

As linhas famosas do poeta galês Dylan Thomas são um apelo apaixonado para lutar contra a inevitabilidade da morte. Enquanto o sentimento é poético, a realidade é muito mais prosaica. Todos nós vamos morrer algum dia em um momento e lugar, o que provavelmente permanecerá um mistério até fim.

Ou talvez não.

Os pesquisadores agora estão aplicando inteligência artificial, particularmente aprendizagem de máquinas e visão por computador, para prever quando alguém pode morrer. O objetivo final é não desempenhar o papel de Grim Reaper, como no livro macabro de ficção Machine of Death, mas para tratar ou mesmo prevenir doenças crônicas e outras doenças.

A pesquisa mais recente sobre esta aplicação da IA para a medicina de precisão usou uma plataforma de aprendizado de máquina para analisar 48 exames de tomografia computadorizada de tórax. O computador foi capaz de prever quais pacientes morreriam dentro de cinco anos com 69% de precisão. Isso é tão bom quanto qualquer médico humano.

Os resultados foram publicados no Nature Journal Scientific Reports por uma equipe liderada pela Universidade de Adelaide.

Em uma entrevista por e-mail com a Singularity Hub, o autor principal Dr. Luke Oakden-Rayner, um radiologista e estudante de doutorado, diz que um dos benefícios óbvios do uso de IA em medicina de precisão é identificar os riscos para a saúde antes e potencialmente intervir.

Menos óbvio, acrescenta, é a promessa de acelerar a pesquisa de longevidade.

“Atualmente, a maioria das pesquisas sobre doenças crônicas e longevidade requer longos períodos de seguimento para detectar qualquer diferença entre pacientes com e sem tratamento, porque as doenças progridem tão devagar”, explica. “Se podemos quantificar as mudanças anteriormente, não só podemos identificar a doença enquanto podemos intervir de forma mais eficaz, mas também podemos detectar a resposta do tratamento muito mais cedo”.

Isso poderia levar a tratamentos mais rápidos e mais baratos, acrescenta. “Se pudéssemos diminuir um ano ou dois do tempo necessário para um tratamento de laboratório para paciente, isso poderia acelerar substancialmente o progresso nesta área”.

A Inteligência Artificial tem um coração

Pesquisadores de Londres publicaram resultados que sugeriam que a IA poderia prever a insuficiência cardíaca e a morte. Com uma melhor análise do que um médico humano. A pesquisa, envolveu a criação de corações 3D virtuais de 250 pacientes que poderiam simular a função cardíaca. Os algoritmos IA então rodaram para saber quais recursos seriam os melhores preditores. O sistema baseou-se em ressonâncias magnéticas, exames de sangue e outros dados para suas análises.

No final, a máquina foi mais rápida e melhor na avaliação do risco de hipertensão pulmonar.

Os pesquisadores dizem que a tecnologia poderia ser aplicada para prever resultados de outras condições cardíacas no futuro. “Nós gostaríamos de desenvolver a tecnologia para que ela possa ser usada em muitas condições cardíacas para complementar a forma como os médicos interpretam os resultados dos exames médicos”, diz o co-autor do estudo, Dr. Tim Dawes, em um comunicado de imprensa. “O objetivo é ver se melhores previsões podem orientar o tratamento para ajudar as pessoas a viverem mais tempo”.

A Inteligência Artificial está ficando mais esperta

Esses tipos de aplicações com IA para medicamentos de precisão só vão melhorar se as máquinas continuarem a aprender. É assim, como qualquer estudante de medicina.

Oakden Rayner diz que sua equipe está construindo seu conjunto de dados ideal à medida que avança a pesquisa. Mas já melhorou a precisão preditiva em 75 a 80 por cento, incluindo informações como idade e sexo. Inventamos a inteligência artificial que pode vir a ser consciente de si.

“Eu acho que há um limite superior em quão precisos podemos ficar, porque sempre haverá um elemento de aleatoriedade”, diz ele, respondendo o quão bom a IA conseguirá identificar a mortalidade humana individual. “Mas podemos ser muito mais precisos do que estamos agora, levando em conta mais os riscos e pontos fortes de cada indivíduo. Um modelo combinando todos esses fatores esperançosamente representará mais de 80% do risco de mortalidade a curto prazo”.

Outros são ainda mais otimistas sobre a rapidez com que a IA transformará esse aspecto do campo médico. Inteligência Artificial ajuda detectar o câncer de mama com 92% de exatidão.

“Prever o tempo de vida restante para as pessoas é, na verdade, uma das aplicações mais fáceis de aprendizagem de máquinas”, diz Ziad Obermeyer ao STAT News. “Ele requer um conjunto único de dados onde temos registros eletrônicos ligados a informações sobre quando as pessoas morreram. Mas uma vez que temos isso para pessoas suficientes, você pode encontrar um preditor muito preciso da probabilidade de alguém estar vivo há um mês, por exemplo, ou um ano”.

Obermeyer co-autor de um artigo no ano passado com o Dr. Ezekiel Emanuel no New England Journal of Medicine chamado “Previsão do Futuro – Grandes Dados, Aprendizado de Máquinas e Medicina Clínica”.

A Inteligência Artificial ainda tem muito a aprender

Especialistas como Obermeyer e Oakden Rayner concordam que os avanços virão rapidamente, mas ainda há muito trabalho a ser feito.

Por um lado, existem muitos dados para serem coletados por ai, mas ainda está tudo bagunçado. Por exemplo, as imagens necessárias para treinar as máquinas precisam ser processadas. “Muitos grupos pelo mundo estão gastando milhões de dólares nesta tarefa, pois isso é o principal gargalo para uma IA médica”, diz Oakden-Rayner. Como nascerá a superinteligência artificial.

Na entrevista com o STAT News, Obermeyer diz que os dados estão fragmentados em todo o sistema de saúde. A ligação de informações e a criação de conjuntos de dados abrangentes levará tempo e dinheiro. Existe muita excitação no uso de IA na medicina, porém, pouca atividade nos testes dos algoritmos em configuração clínica.

“É muito bom e bom dizer que você tem um algoritmo que é bom em prever. Agora vamos deixá-los ao mundo real de forma segura e responsável e ética e ver o que acontece “, diz ele na STAT News.

A Inteligência Artificial não é um acidente

Preconizar uma doença fatal é uma coisa. Mas prevenir acidentes fatais com IA?

Isso é o que os pesquisadores norte-americanos e indianos se propuseram a fazer quando examinaram o número perturbador de mortes ocorridas por pessoas que tiram selfies. A equipe identificou 127 pessoas que morreram enquanto estavam posando para tirar uma selfie em um período de dois anos. Aplicativo utiliza inteligência artificial para reduzir congestionamentos.

Com base em uma combinação de texto, imagens e localização, a máquina aprendeu identificar uma selfie como perigosa ou não. Executando mais de 3.000 selfies marcadas, coletadas no Twitter através do software resultou em uma precisão de 73 por cento.

“A combinação de recursos baseados em imagem e baseados em localização resultou na melhor precisão”, relataram.

Qual é o próximo passo? Uma espécie de sistema de alerta precoce de selfie. “Uma das instruções em que estamos trabalhando é fazer com que a câmera dê informações ao usuário sobre [seja ou não uma localização particular] seja perigosa, com alguma pontuação a ela”, diz Ponnurangam Kumaraguru, professor do Instituto de Informação Tecnológica Indraprastha em Deli, em uma história da Digital Trends.

Inteligência Artificial e o futuro

Esta discussão levanta a questão: queremos saber quando vamos morrer?

De acordo com pelo menos um artigo publicado na Psychology Review, a resposta é um “não” ressonante. Quase nove em cada 10 pessoas interrogadas na Alemanha e Espanha disseram que prefeririam permanecer ignorantes sore a morte.

Obermeyer vê isso de forma diferente, pelo menos quando se trata de pessoas que vivem com doenças terminais. 8 maneiras que a Inteligência Artificial irá mudar profundamente a nossa vida.

“O que esses pacientes querem e não recebem dos médicos são previsões objetivas sobre quanto tempo de vida resta”, diz à rádio pública do Marketplace. “Os médicos estão muito relutantes em responder a esse tipo de perguntas, em parte porque, você sabe, você não quer se enganar por algo tão importante. Mas também em parte porque existe a sensação de que os pacientes não querem saber. E, de fato, isso não é verdade quando você pergunta aos pacientes”.

Fonte: SigularityHub

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: