Ciência Curiosidades 

Como nossa galáxia ganhou o nome de Via Láctea?

Se você olhar para cima em uma noite clara das regiões mais escuras da Terra, você provavelmente vislumbrará uma faixa larga de estrelas, encoberta por nuvens de poeira e gás, arqueando através do céu.

via-lactea-2

O que você está vendo é uma porção da Via Láctea, nossa galáxia doméstica, que mede 100.000 anos-luz de diâmetro. (Um ano-luz é a distância que a luz viaja em um ano – quase 6 trilhões de milhas, ou 9,5 trilhões de quilômetros.) Seu núcleo hospeda um buraco negro supermassivo, um campo gravitacional gigantesco tão forte que nada, nem mesmo a luz, pode escapar, e seus múltiplos “braços” que espiralam do centro têm centenas de bilhões de estrelas, uma das quais é o nosso próprio sol.

Estima-se que a Via Láctea tenha 13,2 bilhões de anos, e é uma das muitas bilhões de galáxias no universo conhecido. Outras galáxias podem ser mais antigas e maiores, mas como endereço cósmico da Terra, a Via Láctea há muito fascina os humanos. Foi reconhecido pelos astrônomos há milhares de anos, e as civilizações antigas o caracterizaram em suas mitologias. Mas como e quando essa galáxia obteve seu nome incomum em primeiro lugar?

O poeta romano Ovídio escreveu sobre a Via Láctea em “As metamorfoses”, publicado pela primeira vez em 8 dC, dizendo: “Há um caminho no alto, visto quando o céu está claro, chamado de Via Láctea, e conhecido por seu brilho”.

As primeiras menções da Via Láctea remontam aos antigos gregos (800 aC a 500 aC), de acordo com Matthew Stanley, professor de história da ciência na escola Gallatin de Estudos Individualizados da Universidade de Nova York. Mas não está claro exatamente quando o nome surgiu, ele disse à Live Science.

“O termo era de uso comum na astronomia ocidental há 2.500 anos”, disse Stanley, referindo-se aos observadores de estrelas nos países europeus. “Portanto, não há como saber quem foi o primeiro a inventá-lo e como ele veio a ser, é um desses termos que é tão antigo que sua origem geralmente é esquecida.”

Na verdade, acrescentou Stanley, a Via Láctea forneceu aos astrônomos a raiz grega para o termo astronômico “galáxia”.

“‘ Galactos’ significa literalmente ‘a coisa leitosa no céu'”, disse Stanley.

O mito grego sobre a formação da Via Láctea foi imortalizado pelo artista renascentista Jacopo Tintoretto na pintura “A Origem da Via Láctea”, por volta de 1575. Tintoretto provavelmente baseou sua obra de arte em uma versão da história que apareceu no texto folclórico do século X “Geoponica”, de acordo com a Galeria Nacional, onde a pintura é exibida. A lenda descreveu o Deus Zeus trazendo um bebê Hércules para o peito de Hera, sua esposa adormecida, para que o bebê pudesse ser cuidado secretamente. Quando Hera acordou e se afastou, seu leite materno pulverizou no firmamento e criou a Via Láctea.

As origens do nome da nossa galáxia explicado pelos gregos antigos na obra de Jacopo tintoretto "A origem da Via láctea", pitada por volta de 1575
As origens do nome da nossa galáxia explicado pelos gregos antigos na obra de Jacopo Tintoretto “A origem da Via láctea”, pitada por volta de 1575

Mas, embora os primeiros astrônomos possam ter observado a Via Láctea, eles não sabiam o que fazer com ela. Antes da invenção dos telescópios no início do século XVII, as galáxias eram conhecidas como nebulosas, admiráveis regiões nebulosas que não se comportavam como outros objetos visíveis, como estrelas e planetas.

“Elas foram aceitas como anomalias que você tem que ficar atento e não se distrair, mas ganharam pouca atenção”, disse Stanley.

Isso tudo mudou quando o astrônomo italiano Galileo Galilei apontou seu telescópio para o céu em 1609, e descobriu que algumas das nuvens de poeira cósmicas enigmáticas eram feitas de estrelas agrupadas.

“Este é o momento chave para a percepção de que as nebulosas são algo interessante, que são estruturas próprias que podem ser estudadas”, disse Stanley à Live Science. “Foi quando as pessoas começaram a dar-lhes nomes particulares porque reconheceram formas neles, e perceberam que poderiam ter algum significado cósmico.”

Entretanto, a maioria das galáxias não possuem nomes descritivos porque há simplesmente muita distancia entre elas. O número de galáxias conhecidas continua a crescer à medida que a tecnologia melhora a habilidade dos cientistas de descobrir objetos muito fracos desde a infância do universo, segundo algumas estimativas, o total pode chegar a 200 bilhões. A grande maioria das galáxias, uma vez que os astrônomos observam suas localizações, são identificadas por um número seguindo uma letra ou letras que indicam sua posição em um catálogo de objetos celestes.

E com a descoberta de tantas outras galáxias, os astrônomos aprenderam que a Via Láctea, apesar de ser nossa galáxia doméstica, não é tão especial.

“O pressuposto básico é que nossa galáxia é totalmente comum”, disse Stanley.

Pode ser ordinário, mas a visão da Via Láctea, mesmo uma visão parcial da Terra ou do espaço, ainda é inspiradora e pode ajudar as pessoas compreenderem e apreciarem o nosso lugar no universo e a recapitular um pouco a maravilha experimentada pelos primeiros astrônomos que espiaram o céu milhares de anos atrás.

“Quem nomeou a Via Láctea fez isso de pé na escuridão, noite após noite, olhando para cima em nossa própria galáxia e tentando nomear esse sentimento de ser um individuo com o cosmos”, disse Stanley.

“Há algo extraordinário e sublime em ficar no alto de uma montanha e ver a vastidão de nossa própria galáxia nos envolvendo”, acrescentou.

Fonte: Space, artigo original Live Science

Como fotografar a Via Láctea / Estrelas – Dicas de Fotografia (Milky Way Photography – English Subs)

Publicações relacionadas

One Thought to “Como nossa galáxia ganhou o nome de Via Láctea?”

  1. Adriano kunha

    Espetáculos.

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: