Estudo da audiçãoCuriosidades 

Lugares barulhentos mudam as células do Cérebro

Estudo da audição
O cérebro é incrivelmente adaptável: a forma como ele recebe a informação pode mudar para de adaptar as diferentes condições, e isso é o que vemos em nossa pesquisa”, diz Matthew Xu-Friedman. (Crédito: iStockphoto)

As células que retêm informações do ouvido para o cérebro podem mudar significamente em resposta a diferentes níveis de ruído.

Expor as células a lugares barulhentos por um período longo de tempo, alteram seu comportamento e até sua estrutura de forma que possam adaptar o aparelho auditivo no meio do ruído. Quando o barulho termina, elas mudam novamente para se acomodarem em ambientes mais silenciosos.

Células do Ouvido
Uma sinapse formada pelo nervo auditivo em um ambiente normal (azul a esquerda),e em um ambiente com ruido por uma semana (azul a direita) Crédito: Amanda M. Lauer, da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins)

“O cérebro é incrivelmente adaptável: a forma como ele recebe a informação pode mudar para acomodar as diferentes condições, e isso é o que vemos em nossa pesquisa”, diz Matthew Xu-Friedman, professor associado de ciências biológicas na Universidade de Buffalo. “O que vemos é que as células do nervo auditivo se ajustam”.

“Elas mudam para que possam responder a um nível diferente, ou mais elevado de atividade.”

A pesquisa, conduzida em ratos, foi liderada por Xu-Friedman e concluído por uma equipe de Buffalo e da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins. O estudo, publicado na edição anual dos Procedimentos da Academia Nacional das Ciências, testaram como os animais responderam vivendo em um habitat barulhento por uma semana, e como os animais expostos ao ruído reagem a um ambiente silencioso.

UMA SEMANA DE RUÍDO

Quando o ouvido é exposto a um ruído, as células do nervo auditivo liberam um produto químico chamado neurotransmissor. Estes produtos químicos dizer ao cérebro que o ouvido está sendo estimulado. É assim que ouvimos. O problema que pode complicar este processo é a diminuição dos neurotransmissores: cada célula tem uma oferta limitada de produtos químicos, e quando uma célula se esgota, ele perde sua capacidade de entrar em contato com o cérebro.

Isso se torna um problema em ambientes ruidosos, onde a estimulação constante coloca as células em risco porque os neurotransmissores são usados muito rápido.Xu-Friedman acredita que as adaptações que os ratos sofreram no novo estudo servem para abordar esta complicação.

Durante uma semana, os animais foram expostos ao ruído semelhante um cortador de grama ou secador de cabelo. Em resposta a esta provocação, as células do nervo auditivo dos animais ficaram mais brandas, descarregando uma menor proporção de suas reservas de neurotransmissores em comparação a estímulos de células nos animais criados em habitats mais silenciosos.

“NÃO FIQUE SURDO”

Isto significa que os ratos expostos ao ruído teriam menor probabilidade de esgotar os neurotransmissores ao processar o ruído de fundo, e mais propensos a ter produtos químicos disponíveis para a sinalização do cérebro quando novos sons aparecerem.

“As mudanças poderiam ajudar os animais lidarem com condições barulhentas e não ficarem surdos”, diz Xu-Friedman. “Em vez de drenar sua oferta limitada de neurotransmissores, você economiza um pouco deles para que você possa continuar a processar novos estímulos.”

Além de alterar o seu comportamento, as células do nervo auditivo dos animais também mudaram a estrutura, ampliando suas terminações sinápticas. Esta é a região das células onde os neurotransmissores são armazenados, e o aumento no tamanho implica que as células foram aumentando os seus níveis de produtos químicos, diz Xu-Friedman.

Quando os pesquisadores colocaram os ratos expostos ao ruído em um habitat mais calmo, as células do nervo auditivo dos animais se adaptaram, mais uma vez, às novas condições.

estudo das células do ouvido
existe uma adaptação quando os ratos são expostos a ambientes com diferentes níveis de ruido

As células lançaram neurotransmissores em um nível semelhante ao do que os ratos que nunca haviam estado em ambientes barulhentos. Estes resultados demonstram a adaptabilidade do cérebro, diz Xu-Friedman.

“Nós achamos que podemos ter encontrado outra forma de homeostase”, diz ele. “Se o cérebro precisa processar informações em muitas condições diferentes, é útil se houver um conjunto de regras a seguir, maneiras de se comportar quando a atividade é alta e quando a atividade é baixa. Isso parece estar acontecendo no que diz respeito a estas células do nervo auditivo”.

Bolsas de Institutos Nacionais de Saúde, Fundação Nacional de Ciência e Dalai Lama Fundo Fiduciário apoiou o estudo.

Fonte: Futurity

Publicações relacionadas

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: