Ciência 

Agora a aposta é nos robôs para espiarem os buracos negros

buraco negro

Astrônomos esperando conseguir medidas mais exatas de buracos negros mais distantes agora tem novos assistentes, são robôs que podem combater a tediosa tarefa de monitorar o brilho das nuvens próximas a buracos negros.

A técnica, conhecida como mapeamento de reverberação, está no kit de ferramentas dos astrônomos por décadas, mas é preciso muito tempo de trabalho na frente do telescópio.

A ideia é que a radiação ao redor da matéria na boca de um buraco negro ativa, irá acender nuvens distantes. Ao analisar quimicamente o gás no chamado disco de acreção em torno do buraco negro, e fazendo uma comparação com o brilho do gás mais distante, os astrônomos podem descobrir a massa do buraco negro e a força do seu campo gravitacional.

“Esta técnica tira proveito do fato de que discos de acreção nem sempre brilham com a mesma intensidade”, escreveu o Observatório McDonald da Universidade do Texas em seu site Stardate.org.

“Um disco pode incendiar brilhantemente quando um novo material cai nele… ou como campos magnéticos fazem com que algum gás do disco se aglutinem. Medir o tempo que leva as nuvens que o cercam se iluminarem e como eles são iluminados por estes alargamentos revelam sua distância do buraco negro. E medir a largura das linhas nos espectros destas nuvens revela o quão rápido eles estão se movendo”, disse o observatório.

Para testar se um observatório robô poderia compilar os mapas, os astrônomos realizaram um programa piloto na Rede de Telescópios Globais Las Cumbres (LCOGT), que atualmente é composto por 11 telescópios automatizados no Texas, Havaí, Austrália, África do Sul e Chile.

A mais recente adição da rede é o Floyds, um par de espectrógrafos de luz de divisão instalados no  telescópio Faulkes Norte no observatorio Haleakala, no Havaí, e no telescópio Faulkes Sul no observatório Siding Spring em New South Wales, Austrália.

“Um espectrógrafo é um tipo especial de câmera que divide a luz de um objeto em suas cores, como um arco-íris, e permite que você faça coisas como medir a composição química de um objeto e o quão rápido ele está se movendo em relação a você” disse o astrofísico David Sand, com a Universidade de Tecnologia do Texas, em um e-mail ao Discovery News.

Tirar fotos do céu com ajuda de robôs é muito comum, ele acrescentou, “mas esses espectrógrafos eram, e ainda são, totalmente novos”

pink floyd dark side of the moon
Floyds é uma homenagem feita após a banda Pink Floyd, estampar em sua capa do álbum gravado “Dark Side of the Moon” o prisma dividindo um raio de luz convertido em um arco-iris.

Por aproximadamente 200 dias, os geradores de imagens robô da rede e o espectrógrafos no Havaí monitoraram a Arp 151, uma galáxia bem estudada cerca de 300 milhões de anos luz de distância na constelação Ursa Maior, a Grande Ursa.

A galáxia tem um buraco negro massivo, que projetos de mapeamento reverberatório anteriores determinaram que ele tem uma massa entre 6.5 e 7 milhões de vezes maior que o nosso Sol. Para fazer uma comparação, o buraco negro no centro da nossa Via Láctea, é aproximadamente 4 milhões de vezes maior que a massa do Sol.

Os robôs astrônomos provaram ser capazes, trazendo medidas que determinaram que o buraco negro da Arp 151 tem uma massa de 6.2 milhões de vezes o tamanho do Sol.

“Ao que parece, as regiões ao redor do buraco negro sofreram alguma mudança nos últimos anos, e isso é muito interessante,” disse Sand.

“Estes resultados representam o primeiro passo para demonstrar as poderosas capacidades robóticas do LCOGT, a longo prazo as pesquisas nos núcleos galácticos ativos, serão campanhas que os programas humanos intensivos não poderão realizar facilmente”, o pesquisador de física pós-doutorado Stefano Valenti, juntamente com a Universidade da Califórnia em Santa Barbara , e alguns colegas publicaram em um artigo publicado no mês passado na revista Astrophysical Journal Letters.

Com essa demonstração bem sucedida, a rede robô está voltando sua atenção para um estudo maior de galáxias próximas, e mais distantes, com buracos negros ativos.

“Nós realmente estamos tentando implantar técnicas robóticas para vários de nossos regimes, visando aumentar a capacidade de análise das informações captadas pelos observatórios”, disse Sand

Fonte: Discovery News.

Publicações relacionadas

2 Thoughts to “Agora a aposta é nos robôs para espiarem os buracos negros”

  1. […] Uma das evidências de um buraco negro super massivo, o gráfico do movimento orbital da estrela S2 ao redor do centro da Via Láctea. A partir dessas observações, os astrônomos inferiram que, um buraco negro super massivo de cerca de 3 milhões de massas solares se encontra no centro da nossa galáxia. Atualmente para ajudar em observações, são utilizados robôs, mas essa explicação deixarei para vocês aqui no blog do meu amigo Eder: Suprimatec […]

  2. […] Existem certos locais e profissões em que o uso de robôs simplesmente faz sentido, como vôos espaciais, exploração de águas profundas e zonas militares hostis. Nós inevitavelmente tornamos os robôs nessas posições mais inteligentes e espertos, mas o nosso nível de confiança aumentará nesses casos? Agora a aposta é nos robôs para espiarem os buracos negros […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: