A verdade está lá fora: A CIA publica dicas para investigação de ÓVNIS

Vista dianteira esquerda do U-2
Aviões de espionagem de voo em grandes altitudes, como o U-2, provavelmente estimularam muitos avistamentos de ÓVNIs relatados ao longo dos anos, disseram os funcionários da CIA. Fonte: Wikipédia.

Em 1947, o oficial da policia do Novo México Lonnie Zamora estava perseguindo um carro quando ouviu um ruído muito alto. Ele avistou uma chama em uma parte do deserto perto de onde ele estava e foi investigar, pensando ser uma explosão de dinamite.

O que o oficial viu, até hoje é motivo de intensa disputa. Ele afirma ter visto um objeto brilhante do tamanho de um carro sedan no topo de uma colina. Quando ele se aproximando caminhando, o objeto começou a produzir ruídos muito alto. Zamora se afastou, mas pode ver o ÓVNI subir ao céu e desaparecer.

O avistamento deste ÓVNI, que ainda não tem explicação apesar da crença dos investigadores que Zamora disse a verdade, foi investigado pela Força Aérea dos Estados Unidos como parte do Project BLUE BOOK ou Projeto Livro Azul, que registrou 12.618 avistamentos de objetos estranhos entre 1947 e 1969. A Agência Central de Inteligência também auxiliou na análise dos avistamentos.

Abaixo estão as dicas que a CIA aprendeu com o “Disco Voador inteligente”, como a agência destacou em uma publicação recente. Prestativamente, a CIA também publicou uma lista de casos de OVNIs que Fox Mulder e Dana Scully, os heróis do “X-Files” série de TV recentemente revivida, iriam desfrutar.

  1. Criar um grupo para encontrar e avaliar os avistamentos. Depois do incidente de 1947, o Projeto SAUCER foi estabelecido para obter todas as informações possíveis sobre estes avistamentos. (A premissa era que os avistamentos não eram necessariamente ÓVNIS, mas poderiam ser aeronaves estrangeiras.) O grupo foi renomeado para Projeto SINAL e, em seguida, Projeto BLUE BOOK.
  2. Descobrir as metas da sua investigação. O Projeto BLUE BOOK teve como objetivo descobrir se os ÓVNIS eram uma ameaça à segurança dos EUA, determinar se têm tecnologia que poderia ser usada pelos governo, e explicar quais estímulos levariam uma pessoa a relatar um Objeto Voador não identificado.
  3. Consultar especialistas, tais como: astrofísicos, autoridades de aviação federal, pilotos, acadêmicos e pessoas no centro de meteorologia dos EUA, estações meteorológicas locais, o Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas e a NASA, dentre outras organizações.
  4. Organizar os casos em um sistema de comunicação. As categorias do BLUE BOOK foram organizadas em astronômicos, aviões, balões, satélites, outros (como reflexos ou miragens), dados insuficientes e não identificado.
  5. Eliminar falsos positivos. Exemplos são erros na identificação de aeronaves (particularmente os aviões de espionagem U-2, A-12 e SR-71), boatos e histeria em massa.
  6. Desenvolver uma metodologia para identificar aeronaves comuns (ou outros fenômenos) que o público confunde como ÓVNIs.
  7. Analisar a documentação da testemunha.
  8. Realizar experimentos controlados, tais como fotografar certos tipos de balões de diferentes distâncias em condições climáticas semelhantes.
  9. Reunir e testar a evidência física e forense. A investigação Zamora incluiu o uso de contadores Geiger para procurar radiação, e enviar amostras de solo para análise de especialistas.
  10. Desencorajar relatório falso. Na década de 1950, durante a Guerra Fria, havia a preocupação de que a União Soviética poderia implantar “ÓVNIS” falsos para incitar pânico nos EUA. Assim, os funcionários ensinaram o público como olhar para os fenômenos similares, tais como objetos astronômicos (meteoros) ou objetos iluminados (balões).

Fonte: Space

5 comentários em “A verdade está lá fora: A CIA publica dicas para investigação de ÓVNIS

  • 7 de fevereiro de 2016 em 16:11
    Permalink

    Esse pessoal militar não tem jeito mesmo é uma enrolação. Quando tinha uma empresa no Centro a da cidade a Intercomp Tecnologia em Computadores (só entrei com grana, de informática sou isso que conhece, rss), cansei de ir junto com os técnicos até mesmo por ser um dos sócios, ao Ministério do Exército que fica do outro lado da Avenida Presidente Vargas, e muitas das vezes os “escalões” estavam reunidos em salas discutindo sobre o que, adivinhem?
    Sim Ovnis/UFO, com filmes e tudo mais. Como havia necessidade em acertar os computadores que estavam na sala e acreditando eles “os maiorais” que eu e os técnicos eramos ignorantes na matéria, rsss.
    Escondem muita informação isso posso afirmar por ver e ouvir deles mesmos e por passar pela experiencia que te relatei por alto. Cabe a cada qual crer ou não é uma opção mas negar seria uma visão muito pequena. Abraços! 😀

    Resposta
    • 8 de fevereiro de 2016 em 13:49
      Permalink

      Eu acredito meu caro colega! E creio também que as mídias de massa fazem de tudo para desviar nossa atenção para algo além da verdade. Mas ela está lá fora! Penso também que chegará o dia em que não será mais possível esconder mais nada! Um grande abraço!

      Resposta
    • 8 de fevereiro de 2016 em 15:57
      Permalink

      tudo que temos documentado, ou tudo que podemos ver, são informações rebuscadas que não tem uma conclusão se ser ou não ser, quando eu digo que acredito, é na esperança de que não estamos sós nesse enorme universo, mas fico com um é atrás, porque não vi nada de concreto… vamos esperar para ver, ou nem chegaremos a ver, vai saber né, existem muitas teorias da conspiração pairando por ai. Um grande abraço meu amigo!

      Resposta
  • 8 de fevereiro de 2016 em 18:51
    Permalink

    (*)°_██_*。*./ .˛* .˛.*.★* *★ 。*
    ˛. (´• ̮•)*˛°*/.♫.♫*˛.* ˛_Π_____. * ˛*
    .°( . • . ) ˛°./• ‘♫ ‘ •.˛*./______/~\ *. ˛*.。
    *(…’•’.. ) *˛╬╬╬╬╬˛°.|田田 |門|╬╬╬╬ .
    ¯˜”*°•♥•°*”˜¯`´¯˜”*°•♥•°*”˜¯` ´¯˜”*°´¯˜”*°•♥•°
    http://www.dailymotion.com./metekan

    Resposta

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: