Ciência 

Um teste revolucionário descobre um fator chave sobre a natureza da antimatéria

  • Os cientistas do CERN conseguiram finalmente medir a freqüência de luz necessária para mover a antipartícula de um estado fundamental para um estado excitado.
  • Os resultados confirmaram uma simetria importante que é uma parte chave do modelo padrão de física de partículas.

Tudo envolve o balanço

A antimatéria é um aspecto particularmente difícil do nosso mundo para estudar, uma vez que tem uma maneira engraçada de se aniquilar quando entra em contato com a matéria. Isto torna impossível estudar adequadamente estas partículas por quaisquer meios convencionais de medição. Os cientistas tiveram que conceber uma maneira de usar campos magnéticos para “armadilhar” antipartículas a fim de obter uma melhor aparência. Progresso foi feito em 2010, quando a colaboração ALPHA CERN foi capaz de capturar anti-hidrogênio e prosseguir com um estudo sem precedentes.

Conforme relatado à Nature, os cientistas do CERN foram capazes de finalmente medir a freqüência de luz necessária para mover a antipartícula de um estado fundamental para um estado excitado. Isto foi alcançado usando antipartículas arrefecidas e disparando um laser sobre elas para induzir uma, depois medindo essa mudança usando espectrografia. Os resultados confirmaram uma simetria importante que é uma parte chave do modelo padrão de física de partículas.

cern
Crédito: Mazimilien Brice / CERN

Teste e reteste

De acordo com a Nature, “A simetria carga-paridade-tempo (CPT) prevê que os níveis de energia na antimatéria e matéria devem ser o mesmo. Mesmo a mais ínfima violação desta regra exigiria uma repensação séria do modelo padrão da física de partículas.” O modelo padrão é seguro por enquanto como a freqüência medida no anti-hidrogênio mudou de estática para excitada correspondeu a mudança observada no hidrogênio.

O trabalho da equipe ALFA está longe de ser concluído. Eles planejam lançar uma variedade de feixes de laser nestas antiparticulas presas para testar ainda mais a fidelidade da simetria encontrada no estudo original.

O mistério de como há matéria mais regular do que a antimatéria no universo é ainda mais complicada por causa dessa descoberta, pois reforça sua similaridade. Como diz a Gizmodo, “Isso seria mais fácil de explicar se a matéria e a antimatéria fossem menos parecidas”. Ainda assim, finalmente fizemos alguns progressos mensuráveis no estudo da antimatéria. É apenas uma questão de inovação contínua em conhecimento e tecnologia para garantir que algum dia resolver esse mistério.

Fonte: Futurism

Publicações relacionadas

2 Thoughts to “Um teste revolucionário descobre um fator chave sobre a natureza da antimatéria”

  1. Avançamos muito nos últimos 80 anos. Antes, a antimatéria era inadmissível até como conceito. A composição é parecida com a da matéria? Parece que sim. Os estudos, porém, têm que levar em conta o ambiente, a frequência e a dimensão, acredito…

    1. Monica, eu creio que você está 100% certa, porém eles precisam levar em conta que isso seja real para eles, mas a crença é algo que não anda muito com a ciência. Vamos acompanhar e ver até onde vai a nova descoberta deles, vamos vibrar bem alto! Grande abraço!

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: