Inteligência Artificial Internet das Coisas 

A Inteligência Artificial não é uma ameaça, mas a internet da coisas poderá ser

 

Depois de mais de 60 anos desde a concepção, e depois de muitos momentos generalistas, a inteligência artificial está, ainda e mais uma vez mantendo sua presença bem firme na mídia em geral.

Seguindo um recente relatório do Fórum Econômico Mundial, muitos sentem a IA como uma ameaça para os nossos postos de trabalho, enquanto outros chegam ao ponto de afirmar que ela representa uma ameaça real para a própria humanidade.

O que está claro por enquanto, é que há muitas perguntas que ainda permanecem sem resposta: Será que podemos realmente criar máquinas conscientes que têm a capacidade de pensar e sentir? O que nós queremos dizer com a palavra consciente em primeiro lugar? Qual é a definição precisa da inteligência? E quais são as implicações de combinar a Internet das Coisas (IoT) com a inteligência?

Bem vindo ao mundo da “Internet das Coisas”

No início do século 20, Jean Piaget observou, “A inteligência é o que você usa quando você não sabe o que fazer, quando nem o inato nem a aprendizagem o preparou para uma situação particular.”

Em termos mais simples, a inteligência pode ser definida como fazer a coisa certa no momento certo, de modo flexível que o ajuda a sobreviver de forma proativa e melhorar a produtividade em várias facetas da vida.

Existem várias formas de inteligência: Não é a variedade mais racional que é necessária para tarefas intelectualmente exigentes como jogar xadrez, resolução de problemas complexos e fazer escolhas exigentes sobre o futuro. Há também o conceito de inteligência social, caracterizado pelo comportamento social cordial. Depois, há a inteligência emocional, que é a empatia com as emoções e os pensamentos das pessoas com quem você se envolve.

Nós, geralmente experimentamos cada um desses contornos de inteligência se combinando de alguma maneira, mas isso não significa que eles não podem ser compreendidos de forma independente, talvez até de forma criativa no contexto da IA. A maioria dos comportamentos humanos são essencialmente instintos ou reações a estímulos exteriores; nós geralmente não achamos que precisamos ser inteligentes para executá-los.

Na realidade, porém, os nossos cérebros estão conectados de forma inteligente para executar essas tarefas. A maior parte do que fazemos é reflexivo e automático, em que às vezes nem sequer precisa estar consciente desses processos, mas o nosso cérebro está sempre no processo de assimilação, análise e implementação de instruções. É muito difícil programar robôs para fazer coisas que normalmente achamos muito fácil de fazer.

Concentrando-se em resolver os problemas certos, com inteligência artificial

header_Coding-172237409

A situação chave com IA é que desde seus estágios iniciais de desenvolvimento, estudiosos têm tentado começar com problemas que são difíceis para nós (seres humanos) para resolver e que exigem muito raciocínio lógico (por exemplo, jogar xadrez). Esta suposição baseava-se no fato de que os problemas que não precisamos pensar muito para fazer são mais fáceis de resolver.

No entanto, estamos agora começando a perceber que um computador que joga xadrez é inteligente, mas é uma forma estreita da inteligência. Na verdade, é a inteligência do dia a dia que é difícil para a IA, reproduzindo ações que somos bons em fazer sem pensar nelas, (por exemplo, fazer uma xícara de chá na cozinha de outra pessoa). Assim, depois de 60 anos de alvoroço em torno da IA, as coisas que pensávamos inicialmente serem fáceis são realmente difíceis no campo da IA, e vice-versa. Em retrospecto, não era uma boa ideia definir níveis tão elevados de expectativa para a IA.

A inteligencia artificial poderá nos matar porque somos estúpidos, não porque ela é do mal!

Usando diferentes modelos de aprendizagem de máquina e IA, estamos tentando executar a tarefa de sintetizar, modelar e imitar a inteligência natural. Compreender inteligência natural é a maneira mais sistemática de desenvolver a inteligência artificial.

Muitos modelos novos estão tentando simular sistemas biologicamente inspirados pela tentativa de imitar o comportamento muito elementar de animais ou insetos. A lógica é que fazer algumas das coisas mais naturais é algo que é realizado pela maioria dos animais, porque se eles são incapazes de fazê-lo, eles morreriam de fome, são vítimas de outros animais ou perdem a oportunidade de acasalamento.

Mesmo organismos unicelulares têm a propensão para “fazer a coisa certa no momento certo”, a fim de sobreviver, e é evidente que eles estão equipados com a maquinaria cognitiva para exercer juízos de valor, que é a chave para entender esses processos comportamentais . Isso se torna mais evidente quando consideramos que, mesmo a mais simples das criaturas que podem de outra maneira ser desprovida de um sistema de juízo de valor consciente ou explícita foram transmitidos (através da evolução) a capacidade exigentes para saber que fazer um certo conjunto “A” de coisas torna mais provável para eles sobreviverem, em oposição a fazer um determinado conjunto “B” das coisas.

Medicina exponencial: A mais avançada nanotecnologia de hoje já está dentro de você

Isso destaca o fato inegável de que tais modelos são muito genéricos. Podem ser aplicáveis a um vírus ou uma bactéria, mas faríamos bem em definir comportamentos inteligentes de uma forma que sustentasse a essência da inteligência como algo que fortalecesse organismos para ir além das suas limitações ambientais imediatas e terem mais oportunidades.

A medida em que a inteligência humana se manifesta é baseada na sinfonia entre nossos corpos e cérebros. A história humana está repleta de casos em que esta forma progressiva de inteligência levou a grandes realizações acionados por metas coletivas para a harmonia e desenvolvimento.

Ao mesmo tempo, é essa mesma inteligência que tem sido mal orientada e subverteu-se a causar uma série de eventos catastróficos, como guerras e outras atrocidades. Foi provado uma e outra vez que a inteligência, quando poluída com traços negativos como a ganância, avareza e vingança, pode se tornar uma maldição para a humanidade.

A superioridade da mente coletiva

O recente falecido Marvin Minsky, padrinho da IA, falou sobre a sociedade da mente, onde os nossos processos cognitivos e arquitetura cognitiva não estão confinados a um lugar particular e não é um processo isolado; são os comportamentos coletivos de muitos conceitos arraigados sutilmente que nossas mentes são capazes de executar.

Enquanto isso não é um novo conceito no domínio da IA, assume grande importância, dado que nossos cérebros são redes de 190 bilhões de neurônios massivamente complexos que estão em constante comunicação uns com os outros. É incrível, parece que estamos continuamente entendendo “o que está acontecendo”. Os neurônios começam a acionar e responder a uma infinidade de reações em ritmo acelerado, criam padrões dentro do cérebro que, posteriormente, decidem o curso das ações a serem executadas pela nossa mente e corpo em perfeita harmonia.

Do ponto de vista em IA, este links bem com modelos de resolução de problemas como o argumento do quarto chinês de Searle, que estipula que, se você tem uma sala cheia de pessoas articulado um algoritmo, tudo o que você precisa fazer é inserir alguma pergunta e sem perceberem o que está acontecendo, seguissem o algoritmo, e que vai produzir uma resposta. A inferência foi que essencialmente o que o nosso cérebro faz continuamente, algo que podemos simular em um computador como uma máquina de Turing universal.

Os perigos de combinar a Internet das Coisas com o pensamento coletivo

Community-ideas-sharing

Isto faz uma conexão surpreendentemente bem com o surgimento da Internet das Coisas (IoT), que tem acompanhado novas oportunidades promissoras, mas também abriu o caminho para uma série de ameaças adicionais. Estamos criando novas redes complexas de dispositivos interconectados que podem compartilhar quantidades infinitas de informações. Em conjunto com arquiteturas com IA apropriadas e modelos de aprendizagem de máquinas otimizados, esta situação pode eventualmente levar a uma imitação precisa do cérebro humano em uma escala muito maior.

Não estou apenas falando sobre redes neurais artificiais tradicionais. Eu estou propondo que sob o manto da Internet das coisas, podemos começar a criar redes complexas de máquinas que são inteligentes o suficiente para começar a entender coisas tão inexplicável como a irracionalidade humana e a dependência dos seres humanos em máquinas.

O medo não surge da construção de robôs humanoides (os androides), porque 99,99 por cento dos problemas do mundo real (os chamados problemas úteis que esperamos resolver, com a ajuda dos robôs) não exige um corpo. Por exemplo, um carro sem motorista inteligente não requer um robô humanoide que entra no carro para dirigi-lo.

Google fala do pânico sobre a Inteligência Artificial

No entanto, o carro conectado inteligente certamente pode coletar uma grande quantidade de informações úteis sobre quem o utiliza, quer se trate de seus padrões, comportamentos, preferências ou coordenação com outros dispositivos inteligentes (cintos de segurança e dispositivos de automóveis, etc.). Uma vez que essas características sejam adicionadas em um padrão que os torna inteligente, não há nenhuma razão pela qual os seres humanos não ficariam apaixonados e, eventualmente, escravizados por tais máquinas.

Um caso em questão são os padrões de comportamento obsessivos onipresentes quando se trata do uso de smartphones, um fenômeno que tem assumido proporções alarmantes. A Internet das coisas é susceptível em agravar este problema, e incorporando a inteligência artificial coma Internet das coisas para criar uma IoT “inteligente” pode levar a alguns resultados seriamente desagradáveis.

Criar cartão de visita

Incorporar a criatividade sempre foi um dos maiores desafios para os avanços da IA, e quase se tornou o antecedente de uma situação de jogo de xadrez, porque o xadrez é transformado em um jogo criativo sublime quando jogado por seres humanos. No entanto, a forma como um computador joga o jogo não pode ser considerada criativa, porque ele calcula um vasto número de possibilidades e vai até eles de uma maneira programada, calibrado usando heurísticas de aprendizado de máquina.

Quando o primeiro computador venceu Garry Kasparov em 1997, não implicou muito em termos de IA consumindo o mundo em suas garras. Limitou-se a destacar os problemas reais que foram surgindo no processo cognitivo humano, a imprevisibilidade intrínseca da mente humana e da multiplicidade de pensamentos ainda persistem intrusivas que às vezes nos fazem se comportar irracionalmente.

Será que vamos projetar nosso próprio executor?

Inteligência Artificial não é uma ameaça mas a internet das coisas poderá ser

Apesar de estarmos plenamente conscientes sobre a nossa imprevisibilidade, somos adeptos a tomar atalhos estratégicos em momentos apropriados, o que torna claro que é nossa inteligência ecológica e criatividade nos levou até onde estamos agora. O problema não é tanto com a máquina que joga xadrez, pois é com o ser humano do outro lado, e também as peças estranhamente posicionados que nos impulsionam a limites insondáveis na nossa ambição e excesso de zelo para ganhar a qualquer custo.

A IA, como outras formas de tecnologia moderna, pode continuar a tornar-se extremamente benéfica para nós. Querendo ou não, o que acontece está no reino das conjecturas, dada a tendência humana inevitável em abusar praticamente de qualquer coisa que torna a nossa vida mais fácil.

Como desenvolvedores responsáveis de tecnologia, a gente pode querer garantir que o que governa nossos instintos de conforto não têm precedência sobre o nosso maior compromisso com o crescimento econômico inclusivo, sociedades mais compassivas e um mundo melhor em geral.

  • Texto: Abdalla Kablan contribuidor de TechCrunch
  • Fonte: TechCrunch

Clique aqui, veja mais publicações, e aprenda um pouco mais sobre Internet das Coisas .

Clique aqui, veja mais publicações, e aprenda um pouco mais sobre Inteligência Artificial.

 

 

Publicações relacionadas

5 Thoughts to “A Inteligência Artificial não é uma ameaça, mas a internet da coisas poderá ser”

  1. De um modo geral, você me assustou

    1. Eu também fiquei bem preocupado, talvez nem estejamos aqui para ver tal caos, mas é de dar medo sim, imagina ficar refém de seu próprio carro no futuro, organizações criminosas no futuro usando tal tecnologia para efetuarem sequestros com nosso próprio carro….

  2. Olá! Indiquei seu blog para o prêmio Dardos. Parabéns pelo blog! Abraços

    1. Obrigado meu amigo, eu peço desculpas pela ausência, estou com muita dificuldade com internet, assim que puder estarei mais ativo.

  3. […] A Inteligência Artificial não é uma ameaça, mas a internet da coisas poderá ser […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: