Nascer do dia na Cratera Gale em MarteCiência Tecnologia 

A corrida espacial para a lua e Marte

Estamos em tempos que a exploração espacial é algo muito empolgante. A NASA, empresas privadas e inúmeros países estão na corrida para colonização do espaço. Logo esperamos ser uma espécie multi planetária. Mas porque?

Porque gastar bilhões no espaço? É nossa apólice de seguros contra extinção.

Foguete da SpaceX
Foguete da SpaceX http://www.spacex.com/media/all/image

Porque gastar bilhões no espaço enquanto há milhões morrendo de fome na Terra? Você já deve ter ouvido essa justificação. O programa espacial nos trás inovações e invenções novas e úteis. A exploração espacial nos dá perspectiva, inspiração e entendimento. Porque ela é a fronteira final. Porque ela está lá!

O que você não ouviu até hoje que não inspire um senso de urgência? Na verdade, a luta da NASA para defender a sua existência e os financiamentos, atestam o quão fraco essas justificativas soam para um público que se preocupa menos com espaço do que as necessidades aparentemente mais imediatas.

A exploração espacial de acordo com o fundador da SpaceX Elon Musk, é tão urgente quanto a pobreza ou uma doença, é nossa apólice de seguro contra extinção. Musk diz que um evento ao nível de extinção, em um flash existencial, faz nossos esforços para salvar a Terra irrelevantes.

Temos que diversificar nosso portfólio de planetas

a lua estéril através da atmosfera da Terra
Esta imagem, foi gravada com uma câmera fotográfica digital por um membro da tripulação a bordo da ISS, é um vislumbre da lua estéril através da atmosfera da Terra. A borda da lua nítida contra o plano de fundo do espaço. Fonte NASA

A Lua é um passo firme em relação a Marte, porém, a NASA hoje não tem planos de mandar humanos para a Lua novamente. Ao invés, seus pioneiros do espaço serão lançados direto para Marte.

O plano de Elon Musk é colonizar Marte

Outros países, porém, gostariam de ter uma chance de deixar algumas pegadas empoeiradas na Lua. E, embora alguns pensem que outra missão até a Lua representa um passo para trás, existem razões sólidas (além de pegadas) para fazer uma estada lunar ou duas antes de ir para o Planeta Vermelho.

Em outubro de 2015, a Rússia anunciou que quer construir uma base na Lua. E parece provável que a ESA iria se juntar com a Rússia após missão de reconhecimento para estabelecer tal Colônia Lunar.

No Simpósio Espacial Nacional, em abril, o chefe da agência, Johann-Dietrich Wörner disse: “Parece ser oportuno propor uma Estação Lunar permanente como sucessora do ISS.” Ele propôs que, como a estação espacial, a estação Lunar, também seria internacional, com pessoas contribuintes de países, talentos e recursos de acordo com suas habilidades.

Mas, além de questões de dinheiro, ir à Lua não significa não ir a Marte.

Europa, Rússia, e China pretendem visitar os canyons e dunas do Planeta Vermelho em algum momento no futuro. Mas ir para a Lua é mais rápido em termos de planejamento de viagem e o número de vezes que a equipe pergunta: “Já chegamos?” antes da chegada, faz com que seja mais barato.

Além disso, porque as escalas de tempo e os números do orçamento são ambos menores, as missões são mais prováveis de acontecer. Além disso, ir à Lua é um trampolim para Marte. Lançamentos a Marte poderiam realmente ser feitos da Lua, um efeito relativamente menor no gasto de energia em relação a Terra devido à menor gravidade, após a colônia se transformar em industrial. E os astronautas e engenheiros poderiam aprender a construir um assentamento espacial de longa duração, que seria algo que ninguém jamais fez antes.

No entanto, quanto mais recursos as agências investem para chegar à Lua (e ficar lá por longos períodos de tempo), menos eles deixam para alocar a uma futura viagem até Marte, um empreendimento caro. E a atitude geral americana de “ter estado lá, ter feito isso” tem algo disso. Nós estivemos lá. Podemos não ter feito tudo, mas poderíamos ir e tentar fazer em outro lugar, mais longe: em uma nova fronteira.

Esse tipo de romance, de objetivo sonhador inspira as pessoas, e não sem razão. Temos a capacidade tecnológica para descobrir como fazer uma missão humana a Marte dar certo.

Quem se tornará o primeiro marciano? A colaboração talvez seja a chave

Nascer do dia na Cratera Gale em Marte
Nascer do dia na Cratera Gale em Marte Crédito da Imagem: NASA/JPL-Caltech

Setembro passado a NASA reafirmou seu compromisso em levar humanos até Marte por volta de 2030. No mesmo evento, entretanto, eles atrasaram o primeiro voo tripulado da Orion, a capsula espacial que planejam usar na viagem. Chamada EM-2, este primeiro voo foi agendado para agosto de 2021. Mas por causa da mudança de design, a missão terá que esperar até abril de 2023.

A agência disse que a bateria de verificações não deve alterar o resto do calendário da Orion, e o primeiro teste não tripulação ainda será feito em 2018.

A NASA é uma agência federal grande,e os seus engenheiros e cientistas têm que lidar com as restrições orçamentais, as dotações governamentais, pilhas de papéis e relacionamentos existentes com outras grandes organizações difíceis como Lockheed Martin e Boeing.

  • No Brasil, dotação é um crédito orçamentário, aprovado pelo Poder Legislativo por intermédio da Lei Orçamentária Anual (LOA), ao Poder Executivo que autorizam este a realizar as despesas públicas. (tem o mesmo significado nos EUA).

E isso é um grande espaço de cautela que as empresas privadas e organizações sem fins lucrativos estão pisando. “Nós queremos ir a Marte, também,” dizem eles. E aposto que eles poderiam fazer isso melhor, mais rápido e mais barato.

Atualmente, a SpaceX leva suprimentos para a Estação Espacial Internacional, mas planeja estabelecer uma colônia em Marte. E Elon Musk e seu exército de pessoas inteligentes que trabalham duro de verdade podem ser capazes de fazer isso. Embora os detalhes da balsa espacial para Marte da SpaceX, a chamada Transporter Mars Colonial, permanece atrás das portas da empresa, Musk disse recentemente à revista Vogue que seus primeiros astronautas colonos deve ser lançados no espaço em cerca de 10 anos.

No extremo oposto do espectro privado do caminho até Marte está a Mars One, uma empresa holandesa fundada por Bas Lansdorp. Mars One oferece uma viagem só de ida para seis grupos de quatro astronautas, escolhidos entre os milhares que se inscreveram online. O processo de seleção era para se tornar um reality show, com equipes para iniciar o treinamento em 2016 para um lançamento em 2026, um cronograma mais ou menos a par com o de Musk. No entanto, como um candidato de alto escalão detalhou neste artigo da Medium, a Mars One pare que não têm a infra-estrutura ou conexões tecnologias para apoiar de seu plano.

Mais moderado em seus sonhos, a Fundação Inspiração Marte de Dennis Tito planeja primeiramente enviar uma tripulação de duas pessoas para voar por Marte em 2018, como uma etapa, parecido com o plano dos asteroides da NASA.

Por Ricks333 - Obra do próprio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=25462130
Por Ricks333Obra do próprio, CC BY-SA 3.0, Wikipédia
  • A Inspiration Mars Foundation é uma organização estadunidense sem fins lucrativos fundada por Dennis Tito, que visa lançar uma missão tripulada para sobrevoar Marte. A fundação afirma que a exploração do espaço fornece um catalisador para o crescimento, a prosperidade nacional, conhecimento e liderança global. Ao aproveitar essa janela de oportunidade, a Inspiration Mars Foundation pretende revitalizar o interesse da educação em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Mas em fevereiro de 2014, Tito adiou o lançamento para 2021 e disse que precisaria da Orion e das estruturas SLS da NASA. Enquanto não existem planos entre a agência e Inspiração Marte, colaborações como esta podem ser a melhor maneira de chegar a Marte.

A NASA, por exemplo, já colabora com a SpaceX em projetos próximos da Terra. Os dois poderiam unir forças, combinando o melhor de ambas as organizações, como a atenção da NASA ao detalhe e segurança e a vontade da SpaceX em experimentar e agir rapidamente para chegar a Marte, mais cedo, com o menor número de dificuldades possíveis.

Se todos esses empreendimentos acontecerem, Marte pode tornar-se um aglomerado. Mas parece provável que alguma combinação entre eles irá, nas próximas décadas, unir forças, fisicamente, intelectualmente, ou ambos, para somar suas forças individuais e para diminuir as suas fraquezas.

Este artigo é o número 2 da serie Space and Technology Review do site Singularity Hub. Fique atento para as partes 3 e 4. Quer ver a primeira? Clique aqui: A nossa casa entre as estrelas

Fonte: SingularityHub.

 

Publicações relacionadas

7 Thoughts to “A corrida espacial para a lua e Marte”

  1. Será um caminho para a superpopulação da Terra.
    Um grande abraço, querido amigo.

  2. […] Quer ver a segunda? Clique aqui: A corrida espacial para a lua e Marte […]

  3. […] Quer ver a segunda? Clique aqui: A corrida espacial para a lua e Marte […]

  4. Meu unio receio é que após desenvolver capacidade para criar colônias em Marte, estas mesmas venham a tornar-se uma “higienização humana”. Concordo

    1. Eu imagino que no inicio da colonização, apenas as pessoas de alto escalão, ou muito ricas poderão acessar outros planetas, e que o planeta Terra será no futuro bem distante uma grande favela(tento uma visão baseada na ficção)

  5. que a princípio até criem as colônias com pessoas capacitadas para estudos, como cientistas mas também que abram espaço para outros trabalhadores. 🙂

  6. […] Desenhar edifícios perfeitos é sempre um desafio, requer uma maestria na fusão de uma sensibilidade estética e uma otimização técnica. Porém desenhar construções perfeitas para uma colônia em Marte? É uma tarefa realmente desafiadora.A corrida espacial para a lua e Marte […]

Obrigado por ler, deixe seus comentários e não esqueça de compartilhar

%d blogueiros gostam disto: